Novela Por Ti causa revolta. Polémica já chegou à SIC e à produtora

A novela “Por Ti” retrata a história de uma mulher que inventa que o filho está doente para pedir ajuda e dinheiro. Pais de crianças que sofrem do mesmo problema estão indignados.

23 Abr 2022 | 18:00
-A +A

A novela “Por Ti”, da SIC, está envolta em polémica e a ser alvo de queixas. Em causa está a personagem Sandra (Inês Ferreira da Silva), que é aconselhada por Nuno Macedo (Diogo Martins) a inventar que o filho sofre de Atrofia Muscular Espinal (AME), falsificando relatórios médicos, e a contactar jornalistas para divulgar o caso e a pedir ajuda nas redes sociais.

Alguns pais de crianças que sofrem desta doença insurgiram-se contra a história. “A forma como a novela está a expor o caso pode pôr em causa os donativos para as terapias de algumas crianças”, disse ao JN Daniela Martins, mãe de duas meninas de três anos, portadoras de AME, que se juntou a outras mães na mesma situação e enviaram e-mails à SIC e à SP Televisão, responsável pela novela “Por Ti”.

Contactada pelo JN, a produtora reagiu a estas acusações através de um comunicado. A novela “Por Ti” “é uma obra de ficção e, como tal, não pretende abordar nenhum caso real em concreto”. “O público sabe distinguir entre ficção e realidade, entre uma telenovela e um programa de informação. No caso concreto, não colocamos em causa o bom nome de nenhuma associação, nem contribuímos para a desinformação relativamente à doença”, pode ainda ler-se.

Para a SP Televisão, a história da novela “retrata a falta de escrúpulos de uma personagem e não a posição dos argumentistas, da produtora ou do canal relativamente ao tema das angariações de fundos”, acrescentando ainda que não acredita que os diálogos possam afetar “a credibilidade de quem tem a doença”.

Pais preferiam exposição das dificuldades e não da fraude em “Por Ti”

Para os pais que se queixaram, esta justificação dos responsáveis da novela “Por Ti” não faz qualquer sentido e referem que quem faz campanhas são pais “desesperados” e com dificuldades financeiras para os tratamentos, “porque somente um membro da família trabalha e o outro fica 24 horas em casa a cuidar da criança e, ao mesmo tempo, a correr atrás de quem possa pagar essas terapias, que são caríssimas e não são comparticipadas pelo Estado”, justifica Andrea Santos, mãe de uma menina com três anos.

“Ao contrário do que a novela dá a entender, não fazemos campanhas para ficar ricas, mas para poder pagar os tratamentos dos nossos filhos”, acrescentou ao JN, sublinhando ainda: “Não sabemos qual será o desenrolar da novela, mas seria oportuno mostrar o outro lado, das mães que já têm a vida dificultada e precisam diariamente de lutar pelos seus filhos, em vez de evidenciarem uma campanha fraudulenta“.

Texto: Patrícia Correia Branco; Fotos: Divulgação SIC

PUB