A Crónica da Agricultora: «O Francisco vai levar uma facada naquele coraçãozinho»

Inês Martins analisa mais uma semana de emoções fortes nas quintas dos protagonistas da terceira edição de Quem Quer Namorar Com o Agricultor?. O rurality show da SIC já está na reta final.

27 Jul 2020 | 18:50
-A +A

A cronista da TV 7 Dias Inês Martins analisa mais uma semana de emoções nas quintas dos agricultores.

No início, a Dalila enjoava me com tanta maldade e discussões, agora enjoa-me de tanta lamechice. Ó moça, já se entendeu que gostas do agricultor, tal não era a sede de ter um ‘mor’. Dizes ‘mor’ a cada 3 segundos. «Oh ‘mor’ achas? Gostas de mim ‘mor’? Oh ‘mor’ olha ali. ‘mor’ não faças isso. Ai gosto tanto ‘mor’. Sim, ‘mor’. Claro, ‘mor’. Isto e aquilo ‘mor’.»

Arrrgh! Que fartadela.

No meio do encontro meloso, ela pergunta ao seu ‘mor’:«Se me tivesses que descrever numa palavra qual seria?». Ao qual ele responde de rompante E SEM PENSAR: «Amiga». Oi? Amiga? Amiga de quem? Notou-se o tipo de amiga que a Dalila foi das outras convidadas. Nem os piores inimigos têm tanto malvadez dentro deles.

Durante o encontro gostei muito de ver o nosso imaturo Paliotes a aproveitar a vida fora da agricultura. A fazer stand up, dizia ele, que era como montar a cavalo. Aquele espírito aberto a novas experiências surpreendeu-me pela positiva. Sim Paliotes, está na hora de viveres e evoluíres. A vida é feita de experiências e crescimento. Não é estares todo o santo dia enfiado num monte no meio de nenhures.

«Sempre vi apenas uma amizade» entre a Mafalda e o Bernardo

O encontro de 24 horas da Mafalda com o ‘Bernardeeeeexxx’ (como ela passou o encontro todo a chamar-lhe) foi mais do mesmo, mas aquela mesmice que nos animou durante toda esta temporada. Com a Mafalda tudo se torna inesperado, gargalhadas, palavras sábias e sentimentos ao rubro, com ela é sempre tudo intenso. Já o chefinho dela achei-o estranhamente apático, principalmente no fim do encontro.

Compreendo que estava com saudades dos seus bichinhos e não gosta de passar muito tempo longe deles, mas.. poxa! Assim não vais lá. Esse coração começa a parecer-me fechado e nem a espécie de alma gémea da Mafalda teve a chave certa para o abrir.

Eu, que sempre vi apenas uma amizade entre estes dois, mesmo assim tinha a esperança que o amor crescesse com o tempo, e nunca se sabe. Mas, pelo que vi neste Ricardo de hoje, tão desligado, parece-me que essa minha esperança já foi pelo cano abaixo. Já a Mafalda continua com a mesma energia e intensidade que tão bem a caracteriza. Pronto está visto. Nesta quinta não há hipóteses de haver uma relação de amor. Foi notório e está claro para mim. Nem com o tempo.

Derreti quando ouvi a Mafalda falar desta experiência. Diz ela que o grau de exigência dela aumentou depois de conviver com o seu chefinho, porque com 47 anos descobriu que é isto que faz sentido numa relação. Nunca se riu tanto com alguém e tal como ela diz e muito bem, enquanto nos rimos não pensamos em tristezas. Sou tão da opinião dela. Venham rugas de tanto rir.

Para haver o amor entre estes dois faltou algo mas nunca perder a esperança. Não ficaram juntos mas estes dois merecem tanto um amor na vida. A Mafalda está preparada a isso. Já o chefinho ainda tem ali uns fios elétricos emaranhados a precisar de serem desatados.

«O teatro da Maria João continua»

Enquanto isso, na quinta do Filipe, Sandra aprende a montar no cavalo. No cavalo claro, não é no “meu” Filipe, porque esse agricultor só tinha olhos para mim… Tinha! Eu disse tinha (passado), quando eu lá estava, porque comigo lá, aaaii dele se olhasse pro lado. Bem, como eu ‘adoro’ ouvir mentiras.

O teatro da Maria João continua. Ela responde o que o agricultor quer ouvir. Não acho nada correto. Aquele Francisco um dia vai levar uma facada naquele coraçãozinho. Ele já está cego de amor e o pior de tudo é a ilusão que está a viver, um conto de fadas que não terá final feliz. Maria João pode ter um carinho mas carinho não é suficiente para se prometer que se vai viver com o agricultor. Mais valia ali um… Talvez… O tempo vai-nos dar essa resposta. Para quem se lembra, durante a minha experiência na quinta do Filipe, passei-lhe o tempo a dizer isso mesmo. Eu precisava de tempo para encontrar respostas. Nunca lhe prometi nada.

«Não há a mínima hipótese» para o amor entre Catarina e Ricardo

No date 24 horas de Catarina com Ricardo, e tal como já mencionei a semana passada, viveram um encontro que tinha tudo para ser romântico mas não há ali mínima hipótese de se tornar amor. Ricardo, de manhã, acorda calado. Catarina tenta puxar por ele para saber o que se passa. Ele responde «NADA».

Naquele momento vi o Ricardo como a mulher numa relação. Vocês sabem quando uma mulher diz «nada», está para cair uma tempestade. Esse NADA não foi NADA convincente. A meu ver, ele acordou com desejo de ir embora. Acordar naquele ninho de amor sem estar a viver um amor, deve ser desmotivante.

António e Aurélia parecem um casal apaixonado durante o encontro. Estava mesmo a pensar…«Olha quem sabe? Até pode crescer daqui uma relação, sim». Mas quando oiço o António referir-se a Aurélia como «Esta senhora»..

Oi? Esta senhora. A senhora tem nome e pareces tu aí tão apaixonado,um galã e armado em romântico, despacha-la num segundo com «esta senhora». Enfim… É nos detalhes que se ganha a confiança, como também é nos detalhes que se perde tudo. Pronto, ficou claro para mim que este senhor e esta senhora não vão ficar juntos.

«Não entendi o que foi lá fazer a pornostar Soraia»

Fiquei a entender que os convidados da primeira temporada foram para AJUDAR na quinta. E enquanto o Neves, muito responsável, tratou de tudo, não entendi o que foi a Patrícia lá fazer. Passou o tempo todo a reclamar do serviço, a olhar para o Neves e Yasminy e ainda barafustou que não tinha de lavar o cavalo porque era convidada. Meninas que não querem sujar as unhas (ajudar), diz muito sobre a personalidade delas. E mais não digo.

Outra convidada que não entendi o que foi lá fazer é a pornostar Soraia. Até me dói a alma quando ela aparece. Não quero parecer repetitiva mas… Que desnecessário esta ofensa de mulher na quinta da doce Catarina.

Mas homens, não se assustem! As mulheres não são todas iguais.

 

Crónica: Inês Martins, empresária e ex-candidata de Quem Quer Namorar com o Agricultor?

 

VEJA TAMBÉM:
A Crónica da Agricultora: «O Ricardo é muito verde nas questões de relações»
A Crónica da Agricultora: «A Dalila adora estragar a harmonia da quinta»
A Crónica da Agricultora: «O Paliotes queria era forrobodó com a Dalila!»

PUB
Top