BB à Primeira Vista: «O Hélder parou no tempo! Dá-me vómitos ver aquele homem»

A morte do pai de Ana Catharina, a expulsão de Pedro Alves e os comportamentos impróprios de Hélder são alguns dos assuntos comentados por Liliana Oliveira. No final, a aposta para o vencedor do BB.

27 Jul 2020 | 18:50
-A +A

Olá a todos! Hoje começo com o sofrimento da Ana Catharina pela surpreendente morte do pai. Ela está a ter uma prova de resistência emocional e psicológica brutal, porque se nota que é uma miúda muito frágil, que precisa dos seus momentos, do seu ioga matinal, do seu espaço… Como a própria Ana Catharina disse na sua Curva da Vida, ela tem momentos altos que são muitos bons e momentos altos que são muito maus.

O facto de ela receber esta notícia num ambiente externo ao conforto dela e rodeada de pessoas que, em abono da verdade, não conhece de lado algum é um choque brutal. Sendo que o pai foi a pessoa que mais a apoiou nesta aventura…

Se a notícia tivesse sido dada logo na altura da morte do pai (a família da Ana Catharina só contou à produção do Big Brother 2020 uma semana depois do sucedido), isso iria fazer com que ela ficasse muito mais frágil e não conseguisse aguentar até à final. Acredito que ter-lhe sido dito agora, na fase do programa em que estamos, seja uma motivação extra para ela, no sentido de ter aguentado tanto até aqui e de infelizmente não poder fazer nada por ele.

Nesta fase, mais do que nunca, a Ana Catharina tem contado com o apoio incondicional do Diogo, que tem sido um ser extraordinário para ela. Ele tira a própria camisola por ela! É de louvar a atitude que ele tem tido. O Diogo sofre o mesmo do que ela. Está solidário com a dor dela e está a sentir tanto quanto ela. Ele está ali para ela em tudo e ela sente isso. Acho que esta tragédia, infelizmente pelo sucedido, vai acabar por uni-los ainda mais.

Isso mesmo viu-se no momento em que o Diogo foi chamado ao confessionário para que a Ana Catharina lhe contasse o que tinha acontecido. Mal soube, ele abraçou-a e agarrou-a. Cobriu-a como se dissesse: «Eu estou aqui e não vou deixar que nada de mal te aconteça. Não vou permitir que ninguém te magoe.»

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Hoje estamos todos com a Ana Catharina! ❤️ Daqui a alguns minutos vamos falar com a concorrente e perceber como ela se sente. #BBTVI @tvioficial

Uma publicação partilhada por Big Brother TVI (@bigbrothertvi) a

 

As críticas a Ana Catharina…

 

Desde o momento em que se tornou do conhecimento público a morte do pai da Ana Catharina, tem havido quem a critique pela sua permanência no jogo. Esses comentários vêm de pessoas que, sinceramente, não têm o mínimo de consciência humana.

As pessoas têm de ser bondosas e demonstrar todo o amor que sentem pelo outro em vida. Não é pelo facto de ela não sair do programa que gosta mais ou menos do pai. Ela gosta na mesma imensidão de que gostava no dia em que embarcou nesta aventura. Neste momento, ela não pode fazer nada… Essas pessoas que criticam a Ana Catharina são pessoas que não têm mais nada para fazer. São pessoas que não têm rigorosamente nada para fazer na vida. Então, só estão bem a criticar…

 

O adeus ao arrogante Pedro Alves

 

Mudando drasticamente de assunto, a gala deste domingo do Big Brother 2020 terminou com a expulsão do Pedro Alves. Graças a Deus! Não me surpreendeu em nada a escolha do público. Ele nunca seria uma aposta para os seis finalistas. Foi o elemento do grupo Kamikaze que foi deixado para o fim para sair. Mas todos eles teriam de ir embora. Já era mais do que certo. Tinha de ser ele.

Arrisco a dizer que o Pedro Alves vai sofrer um grande embate cá fora depois de ler todas as críticas que lhe foram e são feitas. Bom, espero eu que ele tenha essa consciência e que isto lhe sirva de lição para ele perceber a pessoa arrogante que é.

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Pedro Alves expulso pelos portugueses a uma semana da final! ❌ Concordou com esta decisão?👁 #BBTVI @tvioficial

Uma publicação partilhada por Big Brother TVI (@bigbrothertvi) a

 

O que falhou no jogo do Pedro Alves? Todo o egocentrismo e a mania de que só ele é que sabe e de que só ele é bom no que diz e faz. Também foi muito pela cabeça dos outros. O Pedro Alves não jogou um único momento por ele. Ele entrou no jogo, embeiçou-se logo pela Jéssica e, a partir desse momento, fez o jogo mediante aquilo que a menina queria. Dançava a dança consoante ela queria…

Depois, era influenciado pelo Pedro Soá, Daniel Monteiro, Hélder, Sónia, Teresa… Foram os outros que ditaram o jogo dele, foram os outros que ditaram a maneira de ele agir. Ele anulou-se completamente enquanto participante desta edição do Big Brother.

 

Os emotivos reencontros da Soraia e da Ana Catharina

 

A noite foi também de reencontros entre os concorrentes e familiares e amigos. Sem dúvida alguma que os que mais me marcaram foi o da Soraia com a mãe e o da Ana Catharina com uma amiga.

Tenho de falar sobre o segundo. A Ana Catharina estava a precisar daquele abraço. Aquilo de que mais gostei foi que não foram precisas palavras entre as duas. Isso bastou para perceber a cumplicidade que existe entre estas duas pessoas. É como o Diogo diz: há silêncios que falam mais do que mil palavras. Ficou claro que a Débora é, sem dúvida, um pilar na vida da Ana Catharina.

 

Hélder, a criança no corpo de um adulto

 

Falemos agora dos ex-concorrentes que regressaram à casa mais vigiada do País há uma semana. Começo pelo Hélder, alguém que é uma criança no corpo de um adulto. Ele parou no tempo! Sinceramente, dá-me vómitos ver aquele homem.

Foram comentários homofóbicos, comentários xenófobos, conduta de cariz sexual explícita e nojenta… Para mim, devia ter sido repreendido e sancionado na hora. O Hélder não sabe brincar, não sabe comportar-se, acha que é o rei da macacada, acha que sabe dançar e só faz movimentos de cariz sexual…

E a troca de argumentos entre ele e a Ana Catharina para ele tentar perceber porque é que o Diogo lhe pode tocar e ele não?! Ficou claro que aquilo foi um puro ataque de ciúmes. O Hélder não consegue conceber porque é que o Diogo pode tocar à Ana Catharina e ele não! O Hélder não consegue respeitar ninguém.

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

“Você não pode tocar em mim mas o Diogo pode porque eu quis assim” Ana defendeu-se dos comentários de Hélder! 👁 #BBTVI @tvioficial

Uma publicação partilhada por Big Brother TVI (@bigbrothertvi) a

 

Quanto ao Daniel Monteiro, voltou ao jogo e voltou a anular a Iury. Ela voltou a deixar-se ficar submissa, com medo das coisas que ele pensa ou acha… A Iury voltou a perder-se no jogo. Ele está realmente melhor, noto que não está tão agressivo ou instigador como era. Mas, atenção, isso não é natural. Este comportamento é ele a reagir tendo a perceção daquilo que não resultou cá fora.

 

Ana Catharina e Soraia, as potenciais vencedoras

 

Estamos agora na última semana do jogo e são seis os finalistas. Acredito que, se hoje fosse a final do Big Brother 2020, seria a Ana Catharina a vencedora do programa. É a pessoa que tem mais apoiantes, seja nacional como internacionalmente. Se bem que acho que vai ficar renhido entre Ana Catharina, Diogo e Soraia. E quem queria eu que ganhasse? Sou-vos sincera: cheguei a um ponto em que, se fosse possível, dividiria o prémio entre estes três concorrentes. São, para mim, os únicos merecedores. Mas, se fosse eu a escolher, elegeria a Soraia.

 

 

O leque de finalistas é vasto e é difícil descrever cada um em poucas palavras. Mas vou tentar. A Ana Catharina é a convicção em pessoa. O Diogo, o ponderado. A Soraia é genuína, aquela menina que tem as suas convicções e os seus ideais, doce, meiga, alguém que sabe dizer as coisas sem atacar nem ofender ninguém e extremamente assertiva. A Noélia… é coscuvilheira. Não tenho outro termo para ela. Vá, é a guerreira de serviço, é pau para toda a obra. A Iury é a alegria da casa. E a Sandrina a alma da casa.

 


 

Até para a semana. Sempre com o Big Brother em vista!

 

Crónica: Liliana Oliveira; Fotografias: Arquivo Impala, reprodução TVI e redes sociais

PUB