Operação durou “várias horas”: Ângelo Rodrigues submetido a “delicada cirurgia”

Ângelo Rodrigues foi submetido a uma “delicada cirurgia”, “que decorreu de acordo com o esperado” e que foi motivada por razões “estéticas”. A operação durou “várias horas”.

12 Abr 2021 | 21:45
-A +A

Ângelo Rodrigues voltou ao bloco operatório para ser submetido a uma “delicada cirurgia”. A intervenção aconteceu mais de um ano e meio depois de o ator ter dado entrada no Hospital Garcia de Orta, em Almada, na sequência de uma infeção grave que o colocou entre a vida e a morte.

Quem avança a notícia é um jornal diário, que dá conta que o intérprete, de 33 anos, voltou à mesma unidade hospitalar em que foi internado no dia 26 de agosto de 2019. Desta vez, foi alvo de uma cirurgia “de várias horas”, “que decorreu de acordo com o esperado” e que foi motivada por razões “estéticas”. Isto é, para melhorar a aparência das várias operações a que foi submetido, depois de o ator se ter sujeitado a um tratamento de reposição hormonal que não correu como desejado.

“Na altura, o Ângelo chegou a correr risco de amputação da perna esquerda. Tiveram de retirar muitos tecidos e a prioridade era recuperar completamente a mobilidade. Agora, há um longo trabalho pela frente a nível estético”, conta uma fonte ao Correio da Manhã.

 

Ângelo Rodrigues contou a sua verdade em documentário da SIC

 

No passado dia 13 de setembro, Ângelo Rodrigues foi o protagonista de um documentário que o acompanhou na fase de recuperação da infeção generalizada numa perna que quase lhe tirara a vida. Nele, evocou as razões que conduziram ao diagnóstico de uma infeção grave dos tecidos moles da coxa.

No período que antecedeu o problema de saúde, Ângelo Rodrigues encontrava-se a viver no Rio de Janeiro, Brasil, e as “expectativas” criadas pela sua carreira não correram como “queria”. “Isso gerou alguns períodos de desalento, alguns pensamentos depressivos, falta de concentração… No fundo, era uma angustia existencial. Com isto, eu senti que precisava de ajuda”, contou, no documentário.

Foi aí que tomou conhecimento de um “tratamento de reposição hormonal”. “Procurei uma clínica, fiz testes ao sangue e acabou por confirmar-se que era uma descompensação no sistema endócrino. Iniciei o tratamento. Eu não tinha qualquer julgamento em relação ao tratamento que ia fazer, atentando que foi por questões de saúde… Fiz os primeiros tratamentos na clínica, de injeção intramuscular. Depois, surgiu trabalho em Portugal e eu não queria parar o tratamento. E foi essa decisão que acabou por desencadear tudo o que aconteceu”, explicou.

Aquando do seu regresso a Portugal, Ângelo Rodrigues alegou que o “mau manuseamento do material” feito pelo próprio foi o que acabou “por escalar” a sua condição física. “Foi esta decisão de querer continuar este trabalho em casa que acabou por ser o princípio do fim”, explanou ainda.

 

Texto: Alexandre Oliveira Vaz; Fotos: Arquivo Impala e reprodução redes sociais

PUB
Top