Pai de André Abrantes quebra silêncio sobre o filho e não se poupa nas críticas

O pai de André Abrantes demonstra desagrado face à exposição que o cantor fez da sua família. E fala ainda dos pais da “ex” de André, que tramaram relação.

21 Nov 2020 | 19:30
-A +A

André Abrantes tem andado na mira dos holofotes após uma violenta discussão que teve com Rui Pedro no domingo, dia 8 de novembro. O bate boca entre os dois ficou feio e alguns colegas tiveram de se intrometer para que os dois não avançassem para um confronto físico.

Em declarações exclusivas à TV 7 Dias, António Abrantes, o pai do músico, critica o empresário de Oliveira do Hospital, mas, nas suas palavras, não poupa o filho, que o desiludiu.

Sobre os acontecimentos ocorridos na manhã daquela gala de expulsão, António admite que, para os pais do concorrente, “não é agradável o que se passou, como não é agradável para ninguém, mas o programa permite que isso aconteça e não podemos fazer nada. Acho que o André tem estado igual a ele próprio, não tem saído da postura dele e tem aceite as desculpas que o Rui já lhe fez. Da parte dele acho que está tudo bem. Agora, relativamente ao outro concorrente, se o próprio Big Brother não o sanciona, ele vai continuar a fazer igual, se não for com o André é com outra pessoa qualquer.”

Segundo o pai do cantor, “o André não é nada conflituoso, bem pelo contrário, é bastante apaziguador, tanto que as vezes que ele interveio foi já in extremis e em defesa até do próprio Rui porque ele também, de certa forma, está-se a expor de uma maneira que, se ele estivesse cá fora a ver, também não estaria de acordo.”

No entanto, apesar de estar a gostar da prestação do filho, António ficou profundamente desiludido com uma atitude do jovem. É que André partilhou, na casa mais vigiada do país, alguns problemas do seu núcleo familiar mais restrito.

“O meu pai é uma pessoa que me apoia muito hoje em dia, mas toda a infância e adolescência tive um pai muito agressivo. A minha mãe, que sempre me deu apoio, mas acabou por acontecer uma viragem de papéis: O meu pai tornou-se melhor, até me pediu desculpa por algumas coisas que fez. Ele respeita-me e eu também. Não o condeno. A minha mãe acabou por ser mais agressiva psicologicamente e isso afetou-me muito. Ela não consegue ver-me por aquilo que eu sou”, revelou, acrescentando a este respeito que a relação com a progenitora sempre foi “muito difícil, quando tudo o que eu queria era que a minha mãe me entendesse e ouvisse em vez de impor as ideias dela sobre mim.”

Confrontado com estas palavras, António admite que “foi muito desagradável porque ele aí precipitou-se porque são coisas que não devem ser expostas da maneira como ele expôs. Para já, eles têm acompanhamento psicológico, portanto, se ele tinha vontade de desabafar essas situações, tinha lá a quem recorrer sem ter que pôr a vida da família exposta daquela maneira. Mas ele fez assim, nós não estamos lá para o mandar calar, nem para o ouvir, nem para falar com ele. O que é que posso fazer e dizer? Não concordo, não gosto, mas também não me sinto ofendido”.

Questionado sobre as acusações do filho, o pai do concorrente defende-se, esclarecendo que “quando se refere à agressividade não é de certeza absoluta agressividade física. Ele terá assistido a algumas discussões, ou porque cheguei chateado a casa algumas vezes e falei mais alto, ou porque o critiquei a ele e aos irmãos por alguma coisa que tivessem feito de mal na rua ou na escola, ou porque os resultados da escola não eram os ideais. A única agressividade que houve nessa altura, quando ele era mais criança, terá sido essa. Sabe que isso também tem a ver com a forma como ele vê a situação. Quando ele diz que eu já não sou assim provavelmente ele também já não vê assim porque cresceu, também percebe que a vida infelizmente não é fácil para ninguém e todos nós temos dias bons e menos bons”.

No que diz respeito à mãe, António esclarece que “se calhar não concorda com esta exposição que ele está a ter, mas a mãe não é dona da vida dele, a mãe é mãe dele, não é dona dele, as opções de ele participar no concurso foram dele. Mas ele não deveria envolver a família e a mãe não está de acordo, nunca esteve e, se calhar, é por causa dessa crítica mais cerrada que a mãe faz que ele considera isso como agressividade. Mas nem há razão para isso porque nós somos uma família unida”.

 

Pais da “ex” foram contra o namoro

Atualmente numa relação com Zena, André Abrantes sempre foi rapaz de namoros longos. No entanto, na sua última relação, que durou cerca de seis anos, o cantor não conseguiu conquistar os sogros, que sempre se opuseram. Quem o conta é António Abrantes que nos explica, em exclusivo, um dos motivos para o fim do namoro:

“As razões propriamente não sei, mas sei que o que precipitou foi esta situação do confinamento porque ela ficou mais afastada por contingências dos pais, porque os pais não aprovavam o namoro e, provavelmente, o André pô-la entre a espada e a parede ‘ou eu ou os pais’ e então acabaram por ficar só amigos”.

Além de os sogros não serem a favor da relação, a “ex” também nunca lhe deu o devido apoio naquilo que é o sonho do concorrente: Vingar no mundo da música. “O André tinha e tem projetos na área da música e ela nunca foi apologista disso, nunca lhe deu força e, a determinada altura, ele começou-se a fechar nele próprio e na música e afastou-se dela. Depois, com o confinamento, ajudou à separação. Os dois meses em estiveram separados, sem se ver, acabou com tudo”.

Devido a esta oposição à relação, António acabou por, em seis anos, nunca conhecer os compadres, revela: “Em seis anos ou sete eu nunca falei nem com o pai nem com a mãe dela e com a mãe da Zena já falei. Houve alguém do grupo de apoio deles os dois que me deu o número da mãe da Zena e lhe deu o meu. Então, na gala, trocámos mensagens a criticar [N.R.: as imagens protagonizadas por Rui Pedro]”

Questionado sobre Zena, António brinca e não lhe poupa elogios. “Agora ela já está mais afeiçoada a ele e não sei como vai ser. Se calhar vou ter um neto madeirense. Gosto dela, é uma rapariga simples, humilde, muito bem formada, tal como o André também é. Portanto, acho que estão bem equiparados e são sinceros um com o outro.”

Textos: Carla Ventura (carla.ventura@impala.pt); Fotos: Arquivo Impala, Divulgação TVI e Reprodução TVI

 

(Artigo originalmente publicado na edição 1757 da revista TV7 Dias)

PUB
Top