Pai de Maddie DESABAFA: «Tenho a certeza de que ela foi raptada»

Gerry McCann recorda a noite em que a filha, Maddie, desapareceu. O médico acusa também a polícia e os media portugueses de criarem uma campanha contra ele e a mulher.

01 Out 2018 | 8:40
-A +A

11 anos depois do desaparecimento de Madeleine McCann, a esperança da família da menina não esmorece. O pai, Gerry, falou à rádio BBC 4 da fatídica noite em que a filha desapareceu e recordou o momento em que ele e a mulher se tornaram arguidos do processo.

«Era impossível e insuportável. Aquela viagem [até à esquadra] parecia um filme de terror, um pesadelo», explica o cardiologista. Gerry e Kate McCann tornaram-se arguidos na investigação do desaparecimento da filha de quatro anos.

O médico afirma agora que perdeu «toda a fé na polícia portuguesa» e acusa ainda os órgãos de comunicação social portugueses de criarem «uma campanha orquestrada» para os fazerem parecer culpados. Gerry McCann disse ainda acreditar que vai voltar a ver a filha, agora com 15 anos.

Veja também: Suspeito do desaparecimento de Maddie terá tentado raptar criança em Abrantes

«A minha reação instintiva é que vamos voltar a estar juntos. Não quero que ela esteja morta. É horrível e pode parecer frio mas não consigo viver mais 15 anos, esgotado e exausto», confessa. 

«Tive a certeza que ela tinha sido raptada»

3 de maio de 2007. Praia da Luz. Kate e Gerry McCann encontram-se de férias com os filhos, Madeleine, Sean e Amelie. Os alarmes soam quando um amigo do casal dá pelo desaparecimento de Madeleine.

«Não conseguíamos tirar os pensamentos mais tenebrosos da minha cabeça, que alguém a tinha levado e tinha abusado dela. Nós demos a alguém a oportunidade que isso acontecesse. Tenho a certeza de que ela foi raptada», recorda o médico.

Veja também: Caso encerrado: Pais de Maddie McCann DESISTEM de angariação de fundos!

Na entrevista, concedida um dia antes de ter sido anunciado que a investigação em torno do desaparecimento da menina poderá ser arquivada, Gerry McCann chorou copiosamente e confessou que só gostava de voltar a abraçar a filha.

«Só quero abraçá-la, abraçá-la e chorar. Não há um dia que passe em que não pense nela. Ela era fantástica e tinhamos uma relação incrível e especial», relata Gerry McCann. 

Fotografias: Reuters

PUB
Top