Papel Principal: Irene rapta Lúcia

É uma verdadeira reviravolta na trama de Papel Principal. Afinal, Irene esteve sempre a enganar Lúcia e, no dia da estreia, manda raptá-la e volta a dar o palco a Aurora.

16 Jun 2024 | 18:00
-A +A

É o dia de estreia da peça. Lúcia (Margarida Vila Nova) recebe uma sms, que não vemos, e sai a correr do camarim. Já nas traseiras do teatro percebemos que Lúcia parece que espera alguém quando, sem ter tempo de reagir, é raptada por um homem. Esta desaparece misteriosamente. Pouco depois, Aurora (Carolina Carvalho) recebe um envelope, assinado por Lúcia, a dizer que o papel principal será dela (de Aurora). Lúcia deixa um recado no seu camarim a dizer que não se sentiu capaz de assumir o papel de protagonista. Mas a verdade é que não foi ela a deixa estes bilhetes, mas sim Irene (Mafalda Vilhena) e tudo faz parte de um plano.

Leia aindaPapel Principal: Fred em busca de justiça

Mais tarde, num armazém abandonado, Lúcia esta presa, cheia de fome e de sede, grita, desesperada. Um homem encapuçado aparece e dá-lhe água. “Quem és tu? Quem é que te pagou? Foi a Aurora?”, pergunta Lúcia, mas não obtém resposta. Ele sai e ela continua a gritar: “Alguém ajude! Prenderam-me aqui!”

Entretanto, entra Irene e diz-lhe: “És muito burra se não desconfiaste que podia ser eu. Achavas mesmo que eu tinha abandonado a minha filha, sua manca! A Aurora viu-se sem nada por tua causa, agora é a tua vez de sentires o que ela sentiu! Vou acabar contigo.” Furiosa, a atriz insulta: “Sua cabra. Pensas que me vais impedir de sair daqui? Desengana-te! O que é que pensas que vais conseguir com isto?” A mãe de Aurora enfrenta-a e alega: “Para começar não vais ter a tua estreia em teatro, depois vais perder o lugar na série… queres que continue? Não roubas mais nada à minha filha, seu verme. Estavas certa desde o início, eu nunca estive do teu lado.” Lúcia aproxima-se e diz-lhe: “Assim que sair daqui, acabo contigo!” A diretora do teatro sorri e manda o capanga prendê-la. “Eu mato-te, Irene! Ouviste? Mato-te!”, ameaça a sequestrada. Irene sai, impávida e serena.

Texto: Neuza Silva (neuza.silva@impala.pt)
 Fotos: Divulgação SIC
PUB