Parabéns, Goucha! Apresentador entra nos 66 anos com uma segunda vida pela frente

Manuel Luís Goucha celebra 66 anos a sentir ventos de mudança. A despedir-se de um agitado 2020, está prestes a abrir o melhor presente: o primeiro programa em nome próprio em mais de quatro décadas.

25 Dez 2020 | 9:50
-A +A

Estávamos em meados dos anos 1970 quando Manuel Luís Goucha se estreou em televisão, no programa “Bota de Sete Léguas”, o mesmo em que o atual primeiro-ministro, António Costa, assumia o papel de repórter. Tinha “cabelo farto, preto e de risco ao meio” – como “se usava” na altura, ressalvou – e começava ali “a vida que sempre quis”. Mais de quarenta anos depois, continua a colher frutos de um sonho de sempre: está prestes a estrear o primeiro programa em nome próprio.

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Manuel Luis Goucha (@mlgoucha)

 

Manuel Luís Goucha cumprirá este feito aos 66 anos, uma data que assinala nesta sexta-feira, dia de Natal, em que se celebra o nascimento de Jesus Cristo. Uma coincidência ter nascido num feriado religioso para alguém que se diz “agnóstico”. “Agnóstico é aquele que não encontra na razão humana capacidade para discutir o que não é dizível. Eu não discuto Deus, eu não discuto a fé. Eu procuro… Eu estou na procura… Enquanto o ateu recusa liminarmente todas estas coisas que nos podem remeter para o mistério, eu estou à procura do mistério e é isto que enriquece a minha vida“, dizia, em 2017, defendendo-se das críticas por ter afirmado que não acreditava nas aparições de Fátima.

Três anos depois, Goucha volta a estar associado a Fátima. Não à Nossa Senhora, mas à Lopes. Será ele o responsável por estar num lugar que, nos últimos dez anos, foi ocupado por “A Tarde é Sua”. E com um formato com o seu nome: “Goucha”. Uma clara conquista para alguém que muitos consideram o melhor na arte de conversar e entrevistar, mas que o próprio desvaloriza.

Aliás, num primeiro momento, o apresentador nem aprovou a escolha da diretora Cristina Ferreira.  “Sinceramente, não achei muita graça. Porquê ‘Goucha’? Porquê olhar para o meu umbigo através do nome de um programa? Mas os argumentos eram muito fortes e fazem todo o sentido. Porque ao longo destes quase 30 anos eu sempre ouvi dizer ‘eu estive no Goucha’, ‘eu fui ao Goucha’, ‘eu vou ao Goucha’. Mais do que ir ao ‘Você na TV!’ ou à ‘Praça da Alegria’, era ‘eu vou ao Goucha'”, admitiu à TV7 Dias.

 

Cristina Ferreira e Maria Cerqueira Gomes, as parceiras dos últimos 16 anos

 

O novo desafio arranca a uma segunda-feira, 4 de janeiro, quatro dias depois de se despedir do programa pelo qual deu a cara nos últimos 16 anos. Primeiro com aquela que é hoje Diretora de Entretenimento e Ficção da TVI, formando a dupla de maior sucesso na televisão portuguesa. Depois com Maria Cerqueira Gomes, na sequência da saída de Cristina Ferreira para a SIC.

Nessa altura, trocaram-se as voltas para Goucha. De líder incontestável, o apresentador passou para segundo plano, sendo derrotado, dia após dia, pela mulher que ajudou na desconstrução da imagem de um homem sério, talvez sisudo, e sem grande escapatória para a gargalhada fácil e contagiante que viria a mostrar.

“Achava que tinha sido sempre assim. Mas como sou uma peça de museu, vou à RTP Memória, estou lá e aí é que percebo que não era assim. Mas ainda bem que mudei, não é? Mudei como pessoa e mudei como profissional. Acho que as pessoas têm de mudar. E mudei de opiniões. É bom sinal que tenha mudado e, espero, para melhor. (…) A parceria com a Cristina Ferreira foi fundamental. Se há coisa que aprendi com a Cristina foi desconstruir-me. Ela foi uma peça essencial para me desconstruir“, afirmou, em conversa com Ana Galvão, quando ainda a amiga estava na SIC.

 

Goucha sem filtros: “Estou-me nas tintas para a liderança”

 

De volta à TVI, Cristina Ferreira deu a Goucha a oportunidade de “mostrar, sozinho, aquilo que ele é enquanto comunicador e fugir um bocadinho do registo das manhãs”. Ou seja, 26 anos depois, deixa os matutinos e estreia-se, num projeto regular, no horário vespertino. Mas sem pensar em audiências.

“Eu não tenho de provar nada. Acho que já dei as provas do profissional que sou. Depois, e eu sei que isto incomoda muito as direções, estou-me nas tintas para a liderança. É claro que eu quero fazer muito bem, o melhor que sei, o melhor que posso, com os meios que tenho ao meu dispor. Quero divertir-me. É o mais importante. Caso contrário, não faz sentido”, disse, recentemente, num encontro com jornalistas.

E, também aí, Goucha falou da concorrência. Depois de anos de luta nas manhãs, sem que nenhum dos dois a entendesse como tal, o apresentador vai voltar a combater Júlia Pinheiro. “Se há pessoa de quem eu gosto na televisão – e gosto de poucas – é dela. Por isso, ela está a fazer o seu melhor, ainda por cima num horário algo fidelizado entre ela e a Fátima. Não vou pensar nisso. Irei fazer o meu trabalho apaixonadamente, assim como a Júlia o faz e sempre o fez. Tal como a Tânia [Ribas de Oliveira]. É curioso, um homem entre duas mulheres”, salientou.

 

Na linha da frente durante a pandemia da COVID-19

 

Até ao dia 4, Manuel Luís Goucha fecha um ciclo que começou, no início dos anos 1990, na RTP. Primeiro com “Bom Dia”, ao lado de Júlio Magalhães, depois com “Viva a Manhã” e, por último, em “Praça da Alegria”. Aí, era ele o anfitrião e Sónia Araújo sua assistente.

De saída para a TVI, naquela que era a sua segunda passagem pelo casal, Goucha começa por conduzir “Olá Portugal”, até assentar em “Você na TV!”. É lá que está até aos dias de hoje, sozinho desde o início da pandemia da COVID-19. E, mesmo integrando um grupo de risco, ele lá esteve, manhã após manhã, na linha da frente da estação de Queluz de Baixo. Sem nunca falhar e com a missão de informar o público sobre um vírus sobre o qual, ainda agora, pouco se sabe.

Estrela maior da TVI, Manuel Luís Goucha encara 2021 de forma simples: é “um programa novo, num horário novo”. Homem de hábitos, já fez saber por diversas vezes que pouco mudará na sua vida. “Apenas a preparação. Em vez de preparar o programa de tarde, começo a prepará-lo de manhã, no próprio dia”, simplificou. Tudo o resto manter-se-á igual: “Deito-me às 21h00 e acordo às 07h00.”

 

Texto: Dúlio Silva; Fotos: reprodução redes sociais

 

VEJA TAMBÉM:
Cristina, Goucha e Maria Cerqueira Gomes juntos no último “Você na TV!”

PUB