Entrevista a Quim Barreiros: «Ela abria as pernas e mostrava-me a costura dela»

A animar os portugueses há quase meio século, o rei da música popular portuguesa fala sobre o novo álbum e da sua vontade em continuar a «agitar» as festas e romarias nacionais por muitos mais anos.

31 Dez 2019 | 22:50
-A +A

(entrevista originalmente publicada na edição nº 1689 da TV 7 Dias, em julho de 2019)

 

Irreverente, único e de língua afiada. Assim é Quim Barreiros, o rei da música popular portuguesa. O artista está este verão na estrada com o novo álbum, Amélia Costureira, composto por um leque de temas divertidos que prometem deixar o País a dançar.

 

TV 7 Dias – Lançou recentemente Amélia Costureira. O que nos pode revelar sobre este álbum?

Quim Barreiros – A Amélia Costureira é aquela costureira que para enfiar a linha na agulha tem que dar uma lambidela. Eu fui aprendiz de alfaiate. E entretanto, aprendi lá na Amélia Costureira.

E que lições teve da Amélia Costureira?

Ela sentava-me num banquinho, à frente dela, e quando ela pedalava na máquina Singer abria as pernas e mostrava-me a costura dela, muito escura!

Além desta Amélia, o novo álbum é composto por muitos mais temas…

Há um hino, que convido todos os homens a ouvir que é o Hino dos Vagineiros. Tenho outra cantiga muito bonita que é A Tua Rata Não Me É Estranha. Estes são temas que fazem parte do meu novo repertório e o público tem reagido muito bem. Estão sempre à espera da sacanagem. A minha vida é pôr este povo alegre e feliz.

Onde surgiu a inspiração destes temas irreverentes?

É tudo na base do bacalhau.

E já pensou tirar o bigode?

Ele às vezes fica sujo, mas depois de uma lavadela isto fica novo outra vez.

Quais são as músicas que o seu fiel público continua a pedir nos concertos?

Todas as clássicas que toda a gente conhece como o Mestre da Culinária, A Cabritinha, o Chupa Teresa… eu sei lá… são tantas.

Do seu vasto repertório qual é o seu tema preferido?

O Mestre da Culinária. Acho que tive sorte, é um hino!

 

VEJA TAMBÉM:
Quim Barreiros assume-se mulherengo: «Eu maricas não sou»

 

Texto: Telma Santos; Fotografias: Impala e reprodução redes sociais

PUB
Top