Quim Roscas e Zeca Estacionâncio: A TV 7 Dias no «melhor Santo António»

Imbuídos no espírito dos Santos Populares, os humoristas arrancaram gargalhadas de centenas de pessoas durante mais de duas horas. E já preparam a festa dos 20 anos de existência.

01 Jul 2019 | 14:10
-A +A

Os ponteiros do relógio marcam 22h41. João Paulo Rodrigues e Pedro Alves são recebidos com uma ovação por centenas de populares em Moscavide, no concelho de Loures, onde atuam pela segunda vez. «O melhor Santo António do Mundo é aqui», sentencia o segundo. Um novo aplauso, entre os muitos que se viriam a ouvir nas próximas horas, entoa naquele quarteirão.

Assim tem sido nos últimos 19 anos. A data redonda será assinalada em fevereiro de 2020, uma meta que a dupla Quim Roscas e Zeca Estacionâncio nunca almejou alcançar. «Para nós, isto foi sempre uma brincadeira. Um divertimento puro que, por acaso, começou a dar dinheiro. No nosso primeiro espetáculo, ganhámos cinco mil escudos [N.R.: 25 euros] cada um! Era nada! Era mesmo por diversão. Olhe, foi assim que paguei as minhas coisinhas: a minha carta, a minha casa, que já vendi…», recorda Jota à TV 7 Dias.

 

«Isto é mesmo psicoterapêutico!»

 

Para Pedro Alves, a longevidade do projeto é igualmente uma surpresa. «Não esperava! Quando íamos fazer um espetáculo, íamos todos contentes porque íamos divertir-nos. Era isso que fazíamos e é isso que fazemos ainda hoje. Acima de tudo, divertimo-nos. Se isso deixar de acontecer, não fará sentido continuarmos», constata, enquanto o amigo olha para o passado.

«No início, pensava muito: ‘Será que as pessoas vão gostar? Será que as pessoas não vão gostar?’. Confesso que entrava no palco mais preocupado com aquilo que as pessoas iam pensar do que aquilo que eu ia curtir. Agora, sinceramente, subo ao palco para me divertir. Isto é mesmo psicoterapêutico!»

Mais do que psicoterapia, os espetáculos são hoje um pretexto para os dois amigos se encontrarem. «Cada vez mais temos vidas profissionais separadas. Juntamo-nos aos fins de semana. E é ainda melhor, porque é para descomprimir», assume Pedro Alves, que integra o elenco da série Zapping, cujas gravações terminaram «há cerca de quatro semanas» e que a RTP1 estreia em breve.

Por sua vez, João Paulo saboreia o «bombom» que Daniel Oliveira, o diretor-geral de Entretenimento da Impresa, lhe deu ao atribuir-lhe o papel de Tino em Golpe de Sorte. «O Daniel chamou-me e disse-me: ‘Vamos fazer uma série e tens de ser tu a fazer esta personagem’. Respondi: ‘Mas eu nunca fiz nada disto… Achas mesmo que eu faço bem isto?’. Ele disse-me: ‘Tenho a certeza de que és a pessoa certa’. E pronto. Confio muito no Daniel. E a prova está aí», enaltece.

Com as gravações da série da SIC durante a semana e espetáculos aos sábados e domingos, além do disco que prepara a solo e do curso de aviação, não sobra tempo para descansar a Jota. Mas, faz questão de sublinhar, a azáfama não o assusta e nunca lhe passou a ideia de deixar a vida de estrada. «Sabe-me bem meter-me no carro e ir para um espetáculo. É o meu momento de descontração. Viajo, divirto-me e rio-me.»

 

«O português gosta de asneiras, ponto final»

 

O espetáculo prossegue no Jardim Público de Moscavide, com uma quota de «75% de improviso» e uma pitada (generosa) de palavrões. «As pessoas riem-se muito da asneirada. O português gosta de asneiras, ponto final», frisa a dupla, que confessa já se ter sentido inibida «muitas vezes».

«Houve situações em que achámos que não devíamos dizer tantas asneiras, que devíamos ter mais cuidado. E nós fazemos espetáculos inteiros sem dizer uma asneirada! Mas, invariavelmente, nesses casos, os espetáculos não correm tão bem porque achamos que as pessoas não vão curtir. As pessoas conhecem-nos há 20 anos. Se nos vêm ver, sabem aquilo que vão ver», reconhecem os humoristas.

A fórmula para duas décadas de sucesso? «Não inventar muito. Temos tido a felicidade de as pessoas gostarem de nós. Uma coisa engraçada é que já passámos gerações. Temos pessoas que nos começaram a seguir naquela altura e, agora, já são os filhos deles, que já estão na faculdade, que nos seguem. E temos miúdos de 10, 12 anos que nos veem e seguem as nossas coisas. Significa que vamos ter trabalho por mais 20 anos», antevê Jota, com um sorriso no rosto.

 

Veja todas as imagens na galeria!

 

Para já, pensa-se nas celebrações do próximo ano. «Estamos a preparar um espetáculo de raiz», anunciam, para a seguir completarem: «Vamos fazer uma coisa em grande. A nossa ideia é escrever uma comédia, ter mais comediantes connosco em palco, bastantes surpresas e música boa. Queremos que seja um espetáculo em que as pessoas saiam de lá a dizer: ‘Fogo, isto foi espetacular!’».

O espetáculo vai percorrer o país e a dupla não descarta um regresso ao Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e ao do Porto, onde já foram muito felizes. «Quando subi ao palco do Coliseu do Porto e vi aquela gente toda, não quis acreditar. Estava completamente cheio! Naturalmente, vamos querer fazer essas duas salas, mas ainda não está fechado», descortina a estrela da SIC.

 

Filme em homenagem a Nico

 

Em vista está também a edição de um trabalho discográfico de Quim Roscas e Zeca Estacionâncio, um projeto em mente «há vários anos» e que pode agora receber luz verde com a entrada no novo ciclo. Assegurado, esse sim, está o regresso ao cinema, seis anos após o lançamento de 7 Pecados Rurais, o quinto filme português mais visto de sempre.

«Há perspetiva de um segundo filme e até de um terceiro. Para o segundo temos tudo preparado. Estávamos para rodá-lo este ano. Vamos ver se o conseguimos fazer», afirma Pedro Alves, que afirma que o prolongamento da presença da dupla no grande ecrã «é, obviamente, uma homenagem» a Nicolau Breyner, o realizador do primeiro capítulo da saga.

O espetáculo já vai longo. São 00h52 e os dois amigos saem finalmente do palco, ainda com tempo para uma ou outra fotografia nos bastidores. A última, pedida por uma criança de sete anos, prova a transversalidade do sucesso da dupla. O sorriso, antes, durante e depois do clique, nunca falhou.

 

VEJA TAMBÉM:
Jota não pensa em casar-se (nem em ter filhos) com a namorada | EXCLUSIVO
João Paulo Rodrigues com saudades de Júlia Pinheiro? «A gente segue em frente»
João Paulo Rodrigues sobre a ex-mulher: «Senti que a deixei ficar mal»

 

Texto: Dúlio Silva | Fotografias: Paula Alveno

PUB
Top