RTP2 estreia “Heróis Invisíveis”, eleita Melhor Série nos Prix Europa 2019

Baseada em factos verídicos, “Heróis Invisíveis” é a próxima aposta da RTP2 para as noites de segunda a sexta-feira. A trama foi considerada a Melhor Série nos Prix Europa 2019.

04 Nov 2020 | 12:59
RTP2 estreia "Heróis Invisíveis" na próxima segunda-feira
-A +A

“Heróis Invisíveis” é a nova aposta da RTP2 para os serões de segunda a sexta-feira. A história escandinava, eleita a Melhor Série nos Prix Europa 2019, é baseada em factos verídicos e centra-se no diplomata finlandês que ajudou a salvar a vida a mais de 2000 chilenos na sequência do Golpe Militar.

Com Pelle Heikkila, Sophia Heikkila, Ilkka Villi, Aksa Korttila, Juan Cano, Mikael Persbrandt Sonke Mohring nos papéis principais, “Heróis Invisíveis” narra uma emocionante e nunca antes contada história de um herói que, contra o protocolo diplomático e as instruções dos superiores, arriscou a vida para ajudar milhares de pessoas.

Composta por seis episódios, a história é da autoria de Manuela Infante, Tarja Kylma e Mika Kurvinen, que também assume o papel de realizador, ao lado de Alicia Scherson. A estreia está marcada para a próxima segunda-feira, dia 9 de novembro.

 

Conheça o enredo de “Heróis Invisíveis”:

 

Tapani Brotherus é filho de um diplomata finlandês e aos 30 anos de idade começa a trabalhar na Embaixada da Finlândia no Chile. É o responsável por promover os interesses comerciais da Finlândia e ajudar os viajantes perdidos, mas os seus maiores interesses são a prática de golfe e a ida às melhores festas com a mulher, Lysa.

A 11 de setembro de 1973, o general Augusto Pinochet leva os tanques para as ruas de Santiago, num golpe militar que derruba o presidente e lança a cidade num tumulto. À medida que o caos irrompe, as pessoas, temendo pela própria vida, começam a subir os muros da casa de Tapani e a implorar por ajuda.

Embora a política oficial da Finlândia seja ficar neutra, fora dos conflitos e não ajudar os refugiados, o diplomata Brotherus não consegue estar indiferente à situação de as pessoas serem assassinadas na rua. Inicia assim um esforço secreto, com a ajuda da mulher e do conselheiro adjunto Ilkka Jaamala, para conseguir a passagem segura de mais de 2000 cidadãos chilenos para o asilo na Europa.

 

Texto: Dúlio Silva; Fotografia: D.R.

PUB
Top