Senhora do Mar: Cada vez mais perturbado, Alex promete vingança

Em Senhora do Mar, após um confronto com Judite, Alex recorda o casamento com Joana e queima uma foto da cerimónia.

06 Abr 2024 | 7:00
-A +A

Brevemente em Senhora do Mar, SIC, as emoções estão ao rubro na trama da SIC. Em Belém, Judite (Marina Mota) olha em volta. Parece imaginar o que se terá passado com Joana na noite em que teve de fugir. À entrada do túnel, Judite começa a perceber o que se terá passado naquela noite. Fala com um homem que vem dos barcos, e ele aponta-lhe o Clube Naval.

Leia ainda: Tramado por Luísa, padre Pinheiro cai em desgraça

Enquanto isto, Alex (Pedro Hossi) e Paula (Vera Kolodzig) estão com as malas na sala e sacos de lojas de Paris. Ele mostra-se dominador com a amante, beijando-a, mas ela refreia e diz que tem de ir para casa. Alex diz que aquela poderia ser a sua casa, mas Paula relembra-o que ainda é casado. Ele aproxima-se e diz que também podia casar com ela, Paula sente-se dividida. Tocam à campainha e Alex abre a porta a Judite, que diz que quer falar com ele e que já sabe o que se passou na noite em que Joana fugiu. Alex diz a Paula para sair, mas ela responde que quer ficar.

Judite encara o genro e fala-lhe do disparo a Joana. “Devias estar preso!”, acusa. Alex tenta negar mas ela nem o deixa tentar e exige saber onde foi a última vez que esteve com Joana. Paula responde por ele e diz que foi em Belém. Judite acusa Paula de o estar a defender e avisa Alex para que se afaste da filha. Alex diz que Joana tem o seu filho, mas Judite responde: “Um homem que quer matar a mãe do seu filho não tem direito a nada.” Acrescenta a Paula que não se pode deixar manipular e sai.

Na manhã seguinte, Paula está preparada para sair e Alex vem de dentro a ajeitar a gravata. Está apenas de camisa e de boxers. A amante olha-o e questiona se ele tem mesmo de usar aquela gravata, frisando que não lhe fica bem. “Em vez de mandares bocas, podes ajudar-me a fazer o nó?”, pede ele. Ela aproxima-se e percebe que ele esta gelado, questionando se ele esta bem. “Hoje as coisas têm de correr bem. Vou ter uma reunião com um cliente que quer comprar uma casa de dois milhões”, revela. Paula diz-lhe que não pode estar nervoso e frisa: “Tens de o olhar nos olhos. E fazer o negócio. confia em ti. És o melhor vendedor da empresa.” Duro, ele responde que sabe o que tem de fazer e ela prepara-se para sair, mas antes chama-o e diz: “Boa sorte… vendedor do mês! (olha para as boxers) e veste umas calças… Não que não fiques giro só de boxers… mas é capaz de distrair o teu cliente.”

Assim que Paula sai de casa, Alex vai até um móvel. Abre uma gaveta. Mete a mão. Tira a arma e olha para ela, com uma expressão doentia. Pousa a arma em cima do móvel. Olha para a gaveta. Lá dentro há uma foto – é um registo do casamento de Joana e Alex. Ela de vestido branco, ele de fato na foto. Ele fixa o olhar na foto e recorda, em flashback, o momento em que chegam à casa nova depois de terem casado. “Ai, Alex! Pronto! A casa é linda. Adoro! E vai ficar ainda melhor quando a decorarmos ao nosso gosto”, diz-lhe Joana. Ele questiona o que tem de mal a decoração e ela diz: “É muito ‘a tua mãe’!” O vendedor volta ao momento real. Parece muito perturbado e de seguida olha para a arma. Pega nela e aponta-a à foto, fingindo dar-lhe um tiro. Alex jura vingança ao ver Joana na foto. “Não te ficas a rir. Eu vou encontrar-te… e vais pagar… Muito caro… Um dia destes… Vais ver.” Alex volta a olhar para a foto com uma expressão perturbada. Depois, volta a colocar a arma na gaveta, vai até à cozinha. Tira a fotografia da moldura com gestos brutais e deita fogo à foto. Fica a olhar para a imagem de Joana que começa a queimar-se e a perder a cor. O olhar dele é demente, cheio de ódio e de raiva.

Texto: Neuza Silva (Neuza.silva@impala.pt); 
Fotos: Divulgação SIC
PUB