Sofia Aparício revela que começou a ser assediada com apenas 11 anos

Sofia Aparício deu uma entrevista a Manuel Luís Goucha e contou que começou a ser vítima de assédio sexual ainda em criança: “Já tinha corpo de mulher”.

29 Jun 2022 | 12:00
-A +A

Sofia Aparício foi a convidada de Manuel Luís Goucha no programa das tardes da TVI, nesta terça-feira, 28 de junho, e a ex-manequim falou abertamente sobre o assédio de que foi alvo quando trabalhava no mundo da moda e também sobre o consumo de drogas.

Em conversa com o apresentador, Sofia Aparício revelou que começou a ser assediada muito jovem e garante que isso nada teve a ver com a sua carreira como modelo. “O assédio é inerente à nossa sociedade machista (…) Eu, a partir dos 11 anos, comecei a ter medo de andar de metro porque eu era apalpada até ao infinito. Eu tinha 11 anos, eu era uma criança só que já tinha corpo de mulher (…) Não fazes ideia as situações que tive no metro em hora de ponta”, contou a também atriz.

“Agarrou-me pela cintura e puxou-me para ele”, disse, dando o exemplo de uma situação que viveu, afirmando que “tinha medo de passar em frente a uma obra” ou “de passar em frente a uma garagem de automóveis”. “O assédio começa logo aí e a nossa sociedade incute-nos que a culpa é nossa. Eu tinha vergonha, não podia dizer nada em casa porque a culpa ia ser minha (…) Depois fui crescendo e ganhando defesas e, quando isso me aconteceu, já em adulta, cheguei a agredir um homem e fui prejudicada, mas prefiro pagar esse preço do que o outro”.

Sofia Aparício garante que nunca foi toxicodependente

Nesta mesma entrevista, Sofia Aparício falou ainda do seu passado ligado à droga e contou que foi a curiosidade que a levou experimentar estas substâncias

As drogas foi por escolha minha. Podia ter corrido mal, porque não sou heroína, mas foi por curiosidade. Foi no âmbito da vida, teria lá ido de qualquer maneira e também não foi assim grande coisa, mas lá está, assumi e tomou grandes dimensões”, começou por dizer.

“Experimentei, consumi socialmente para me divertir, nunca fui toxicodependente. Nunca fiz nenhuma desintoxicação, nunca estive agarrada a nada. Sou anti-social e ajudava-me a ser social, mas eu aborreço-me. Quando as coisas começam a ser rotina eu já não quero, já fui”, disse ainda.

Texto: Patrícia Correia Branco; Fotos: Divulgação TVI e Reprodução redes sociais

PUB