Sofia Aparício VÍTIMA DE ASSÉDIO SEXUAL: «Houve várias situações»

A atriz alega ter sido vítima de assédio sexual por diversas ocasiões e que o seu «não» a levou, «pelo menos duas vezes», a não ser contratada. «Devia tê-los denunciado», lamenta.

18 Fev 2019 | 18:15
-A +A

Sofia Aparício aceitou o convite de José Eduardo Moniz e, na passada sexta-feira, dia 15 de fevereiro, na rubrica do Jornal das 8 Deus e o Diabo, sentou-se à conversa com o consultor de Entretenimento da Media Capital para falar sobre um dos assuntos que mais a incomoda.

A modelo e atriz, em frente ao país, começou por admitir que já foi vítima de assédio sexual. «Houve várias», refere, quando se lembra dos situações por que passou. «Lembro-me de sentir sempre muita raiva e nojo. Nunca cheguei a sentir-me humilhada, porque a verdade é que acabei sempre por resolver as situações naquela altura.»

 

«Não é porque eu estou assim vestida que eu estou a pedi-las…»

 

Curioso por saber pormenores, José Eduardo Moniz pergunta-lhe como eram essas aproximações. «Uma vez, uma pessoa que, hierarquicamente, estava acima de mim, um diretor de projeto em que eu estava, agarrou-me pela cintura e puxou-me para ele. E como eu não gostava dele e como nunca lhe tinha dado azo ou abertura a isso… Ou seja, não é porque estou assim vestida que estou a pedi-las…», aponta a entrevistada.3

 

Veja também: Sara Prata duvida que haja assédio em Portugal

 

No contexto da conversa, o antigo diretor-geral da TVI sugere que, por vezes, a roupa poderá gerar nos homens determinado tipo de apetites, mas a modelo é perentória em mostrar que discorda. «Pois, não, não, não. Eu visto-me assim, porque tenho muito orgulho em ser mulher e gosto muito de me sentir feminina», justifica.

 

«Era apalpada»

 

«A liberdade dos outros acaba exatamente onde a minha começa. E a minha liberdade começa no meu corpo. Não admito que ninguém me toque sem a minha autorização. Mas isto acontecia-me mesmo em criança, no metro, em hora de ponta», lembra a artista, fazendo uma retrospetiva: «Acho que a sociedade está a evoluir, de maneira que as pessoas têm mais respeito umas pelas outras. Acho que a minha sobrinha já não passou por isso, felizmente. Mas eu lembro-me que deixei de andar de transportes públicos por causa disso, porque era apalpada. Não sei dizer de outra maneira…»

Sofia Aparício desvia, entretanto, a ideia de que o meio da moda é mais propício do que outros para situações de assédio. «É o meio da moda, é o meio dos advogados, são todos os meios… Acho que o meio da moda é sempre mais exposto, porque são mulheres bonitas», limita-se a sintetizar.

 

«Fui prejudicada profissionalmente»

 

Porém, apesar de ter passado por numerosas situações, Sofia Aparício nunca fez uma denúncia formal às autoridades e justifica o porquê. «Na realidade, eu resolvia as situações. Duas vezes, dei um estalo, outra vez dei um empurrão e fechei a porta…»

A atriz sublinha que se sentiu prejudicada por não ter acedido a solicitações de cariz sexual. «Se não dou abertura àquela pessoa, se não dou confiança, não admito, só porque essa pessoa é meu superior hierárquico. Onde eu trabalho não há bem superiores hierárquicos: há o chefe de produção, há os diretores de projeto… Alguém que me poderia contratar e, pelo menos, duas vezes deixei de ser contratada por causa disso. Fui prejudicada profissionalmente, sim…»

 

Veja também: Depois de ACUSAÇÃO de ASSÉDIO SEXUAL, José Mayer é AFASTADO da Globo!

 

José Eduardo Moniz interrompe a intérprete e salienta que, ao não ter feito queixa, «se torna cúmplice de práticas que são altamente condenáveis». Sofia Aparício acaba por concordar. «Talvez sim, mas eu via, nessa altura, que aquilo que aquelas pessoas faziam comigo faziam também com outras pessoas que alinhavam. Não sei de histórias de pessoas que tenham alinhado obrigadas. Mas tem razão, se calhar, devia tê-los denunciado», admite.

Texto: Tânia Cabral | Fotografias: arquivo Impala e reprodução Instagram

PUB
Top