Solteira, Andreia Matos fala do fim do namoro

Numa entrevista exclusiva, a ex-concorrente de Love On Top explicou as razões para o fim do namoro com Bruno Alves.

09 Nov 2017 | 18:06
-A +A

Chegou ao fim o namoro de Andreia Matos e Bruno Alves. Apesar da relação atribulada que viveram na mansão do amor, o casal parecia feliz nas várias demonstrações de carinho que exibiam nas redes sociais. Segundo a jovem alentejana, a relação não foi de todo um mar de rosas devido a certos comportamentos constantes de Bruno Alves. A ex-concorrente de Love On Top 5, de 20 anos, esteve à conversa com o nosso site e contou-nos o que correu menos bem na relação com o jovem nortenho, de 24 anos, quatro meses depois de terem iniciado o namoro. 

O que motivou o fim da relação?

O facto de o Bruno ter demonstrado cá fora ser uma coisa e lá dentro ser outra. Cá fora veio demonstrar coisas de que eu não gosto. Que eu não admito. Para mim é não haver confiança, é ele mentir. 

O que mudou no Bruno do Love On Top para o Bruno da vida real?

Ele na casa sempre mostrou ser uma pessoa muito ciumenta. Cá fora é igual mas é pior. Ele era muito possessivo em relação aos meus amigos e às redes sociais. Demonstrou ser uma pessoa diferente. É boa pessoa, claro, mas acho-o totalmente diferente do que ele era na casa.

Quando o conheceu, antes de entrarem no Love On Top, o Bruno era como?

Eu quando o conheci não tivémos muito tempo juntos. O Bruno demonstrou ser uma pessoa que não queria saber de mim e foi isso que, se calhar, me atraiu, o facto de ele não querer saber de mim. Deixou-me e, acho que, foi por isso que comecei a gostar dele. 

O Bruno teve alguma atitude menos bonita consigo que a tenha feito desistir de vez dele?

Não, ele nunca me fez nada, pelo contrário sempre me tratou bem, sempre fez tudo para que eu ficasse bem. O problema aqui são as mentiras que ele diz. Em relação às mentiras são coisas da vida dele, coisas que não têm nada a ver comigo e com a relação mas são coisas que ele esconde dele. E eu não tolero mentiras numa relação. 

Os quatro meses de namoro foram assim diariamente?

Sim. Mentiras, discussões atrás de discussões, iamos sair à noite e ele dizia que eu olhava para este e aquele e eu não estava para isso. Eu numa relação nunca traí ninguém, nunca escondi nada, sempre fui sincera em tudo e ele não acreditava em mim. E eu não posso estar com uma pessoa que não confia em mim e em quem eu não confio. 

Ainda gosta dele?

Sim, claro que gosto dele, mas não vejo futuro para esta relação. Quis ser eu a falar disto porque já sabia que, mais cedo ou mais tarde, iam sair notícias e, de certeza, que não era por mim. Eu não fiz nada nem ele, a relação apenas não dá. 

O que os seus amigos/família diziam da vossa relação?

Desde que comecei a namorar com ele, muita gente, principalmente os meus amigos, me diziam que a nossa relação não ia dar em nada. A minha família sempre me apoiou mas os meus amigos sempre me disseram que não me viam com ele. Eles viviam também muito esta relação. Eu chegava a mandar mensagens de voz a chorar e eles depois também se enervavam.

Sente-se desgastada psicologicamente? 

Sim, eu até já pensei em ir para um psicólogo. 

Mas… está feliz? 

Não a 100%.

Passado mal resolvido

Embora Andreia Matos refira que o passado mal resolvido com o anterior ex-namorado nada tenha influenciado a relação que mantinha com Bruno Alves, a verdade é que é difícil para a jovem alentejana sentir-se feliz com questões, que ainda mexem consigo, por resolver. 

O que falta para poder dizer que está realmente feliz?

Resolver o meu passado.

Ou seja, resolver certas questões com o ex-namorado que teve antes do Bruno?

Sim, mas não foi isso que levou ao fim da relação. Há coisas mal resolvidas e eu só descanso quando ficar tudo bem resolvido. 

Porque ficou essa relação mal resolvida?

Porque fui eu que acabei também essa relação. Fui eu que errei, nada de traições, mas era muito de sair e acabei por terminar a relação e não dei explicação nenhuma. Deixei-o desamparado. 

O que a motivou a agir assim?

Sinceramente não sei porque o fiz. Ele foi a melhor pessoa que eu tive. 

Vocês voltaram a falar?

Sim, depois de acabarmos tentei falar com ele, dizer-lhe que gostava dele e ele dizia que não acreditava. E eu pus aquilo na cabeça e segui em frente. Tentei… porque eu não segui. Na casa ainda me relembrei dele. Há uns tempos, vi-o e parece que voltou tudo. 

O que diria a esse ex-namorado se pudesse? 

Que estou muito arrependida do que fiz porque ele não merece nada disso. É uma excelente pessoa e, se fosse agora, nunca na vida tinha feito o que fiz. Tirei uma lição muito grande tanto que digo às minhas amigas que se gostam para não deixarem, não trocarem os namorados.

Texto: Marisa Simões; Fotos: José Manuel Marques

 

PUB
Top