HOMENAGEM a Zé Pedro: TAP batiza avião com nome do guitarrista dos Xutos

A TAP vai apresentar, na próxima sexta-feira, um avião ao qual deu o nome do guitarrista dos Xutos & Pontapés. A cerimónia será ao som da canção Não Sou o Único.

07 Fev 2019 | 8:10
zé pedro
-A +A

A transportadora aérea portuguesa decidiu homenagear Zé Pedro, antigo guitarrista dos Xutos & Pontapés, de uma forma muito especial. O músico, que morreu em novembro de 2017, será recordado na cerimónia em que a companhia apresentará um novo Airbus, um A321neo, que chegou a Portugal em janeiro e que será batizado com o nome do artista.

A apresentação oficial do novo avião acontecerá esta sexta-feira, 8 de fevereiro, às 10h30, no Hangar 6 do Campus TAP, ao som do conhecido tema Não Sou o Único, um dos grandes êxitos da banda que contém versos como «Não sou o único a olhar o céu» e «O céu azul brilhará».

A vida do guitarrista que nunca será esquecido

Foi a 14 de setembro de 1956 que José Pedro Amaro dos Santos Reis nasceu na Maternidade do Hospital Militar da Estrela, em Lisboa. Terceiro filho de uma família de sete irmãos, Zé Pedro sempre foi uma criança cheia de genica.

Desde bem pequenino, até aos seis anos, viveu em Timor, onde o pai, com carreira militar, estava destacado. No início da década de 1960, a família fez as malas e rumou ao bairro dos Olivais, em Lisboa.

Foi na capital portuguesa que Zé Pedro começou a ganhar o gosto pelas melodias. O primeiro concerto que o músico assistiu foi um de Miles Davis, no Festival de Jazz de Cascais, com os pais.

Depois disso, em 1977, seguiu viagem até França, num interrail. Foi aí que assistiu a um festival de punk e onde começou a consolidar o sonho Xutos & Pontapés.

O início da carreira

De regresso a Portugal, Zé Pedro conhece os Faíscas, cede-lhes a garagem dos pais para a sala de ensaios e é nomeado manager oficial.

É nessa garagem que tudo começa. Zé Pedro, Zé Leonel e Paulo Borges fazem audição a Kalú e mudam de nome para Xutos & Pontapés depois de Beijinhos & Parabéns não ter sido aprovado.

Borges não aquece o lugar e chega Tim para completar o quarteto inicial. Mas as coisas nem sempre correram de feição.

Os Xutos & Pontapés

Os Xutos & Pontapés surgiram em 1979, mas só em 1987 a música Circo de Feras fez com que houvesse uma maior explosão da banda. Até então, segundo Zé Pedro, foi o chamado «viver um dia de cada vez».

O princípio dos anos 1990 não foi fácil. A banda estava praticamente falida. Nessa altura, os Xutos estiveram parados e sem contactar uns com os outros durante cerca de meio ano.

Mas, depois da tempestade, veio a bonança. Regressaram aos palcos e nunca mais pararam.

Texto: Redação WIN – Conteúdos Digitais | Fotografia: Facebook

PUB
Top