Tem muitos restos do Natal? Então saiba que cada um deles tem um prazo de validade

Passada a noite de Natal, há sempre comida que restou e para cujos prazos de validade não deve costumar prestar muita atenção. Mas existem e nós explicamos-lhe tudo.

25 Dez 2020 | 11:20
-A +A

O Natal é sinónimo de reunião de família à mesa para partilhar amor, conversa, sorrisos e muita… muita comida. Cada terra tem os seus costumes, mas há pratos que são tradicionais na maioria das casas portuguesas, como o bacalhau e o peru.

E, se sempre que pensa na noite e dia de Natal, visualiza uma mesa farta com sobras para os dias seguintes, é importante perceber como é que esses alimentos podem ser conservados e em quantos dias devem ser ingeridos.

A nutricionista e colaboradora da Associação Brasileira de Nutrição (Asbran), Daniela Cierro, em entrevista à Casa Vogue, explica que os cuidados com os alimentos começam antes mesmo do preparo. A especialista defende que os alimentos devem ser ingeridos até 30 minutos desde que vão para a mesa. Mas vamos por partes:

 

Peru

Se está a pensar comer os restos do peru que sobram da ceia de Natal, tome especial atenção. Daniela Cierro recomenda que se asse o peru normalmente como costuma fazer, mas dividi-lo em duas partes: a que vai ser comida na primeira refeição e a que vai para o ou os dias seguintes. Neste último caso, deve guardar logo no frigorífico.

O peru só deve ficar à mesa durante o tempo da refeição. Se o deixar ficar desde que se senta à mesa até se levantar, o cozinhado pode ficar ficar alterado. Depois de guardado no frigorífico, o peru deve ser consumido em até três dias.

 

Arroz

Parece mentira, mas é verdade. O arroz é um dos alimentos que se estraga com mais facilidade. Para quem faz este acompanhamento para a consoada, a nutricionista explica que o arroz não pode ficar à mesa por tempo incerto. Caso o queira manter exposto, deve colocar o arroz em banho-maria a 60 graus.

Mesmo assim, deve permanecer à mesa durante seis. Se o quiser reaproveitar para o dia seguinte, pode colocá-lo no frigorífico. Uma vez no frio, num recipiente fechado, pode ser consumido em até três dias.

 

Maionese

A maionese é um dos molhos preferidos para colocar em muitos pratos, seja no Natal ou noutra ocasião. Para usar este molho, deve ter em atenção a forma como o coloca no prato e o guarda de seguida. A nutricionista explica que devem ser tiradas pequenas porções de cada vez e que o restante deve ficar no frio, bem fechado.

Depois de aberta, deve ser consumida em até 24 horas. A maionese que foi retirada para o prato e que sobrou, deve ir para o lixo.

 

Rabanada

É um dos doces mais típicos do Natal. E sabia que devem ser guardadas no frigorífico? A rabanada leva leite e ovos e por isso, depois de ser frita, deve ir para o frio. Uma vez no frigorífico, guardadas num recipiente fechado, podem ser consumidas em até três dias.

 

Bacalhau

Os cuidados com o bacalhau são os mesmos que tem com o peru. Depois de confecionada, esta iguaria tão típica do Natal deve ir para o frigorífico. Este peixe deve ser consumido nas 24 horas seguintes.

 

Salada e sobremesa

As saladas e sobremesas devem ser servidas no momento em que vão ser comidas. No máximo, devem ser consumidas no dia seguinte.

 

Atenção:

Há quem tenha o hábito ou tradição de deixar a mesa posta de um dia para o outro. Mas isso é um erro.  As sobras devem ser sempre guardadas no frigorífico a em recipientes de vidro e não de plástico. Para lá de ser mais higiénico, não há risco de ficar com o cheiro e o gosto da comida. O plástico tem ainda bisfenol, que é tóxica quando aquecida.

 

Texto: Ana Lúcia Sousa; Fotos: Pixabay

PUB
Top