“Tenho uma senhora comigo”. Ana Bola precisa de ajuda para gravar Rua das Flores

Ana Bola veste a pele da cartomante Tília na novela “Rua das Flores”, da TVI, e revela que recorre a uma ajuda ‘extra’ para conseguir deitar as cartas: “Eu mal sei baralhar”.

25 Abr 2022 | 19:30
-A +A

Ana Bola, que dá vida a Tília na nova novela da TVI, “Rua das Flores”, esteve no programa “Dois às 10”, à conversa com Maria Botelho Moniz e Cláudio Ramos. A atriz revelou que apesar de estar a gostar muito de dar vida à cartomante, na vida real não acredita nesse dom e revela que nunca recorreu a algo do género.

Nunca fui, nem a nada parecido. Nem cartomancia, nem bruxismo… Nada. Não acredito. Sou completamente descrente. Sou muito cética em relação a essas coisas, de tal maneira que tenho ali uma senhora comigo, a Patrícia, cada vez que é preciso lançar cartas… Eu mal sei baralhar e ela ajuda-me, explica-me o que é que as cartas significam. Nunca tive esse tipo de curiosidade, porque de facto não acredito”, contou.

Ana Bola assumiu que “há uma misturazinha de medo” do que lhe possam dizer. “Eu acredito que uma pessoa que vá a um sitio desses é necessariamente influenciada por alguma coisa que lhe digam. Prefiro não saber, deixo a vida fazer o seu percurso”, afirmou, para depois acrescentar: “Eu sou agnóstica. Não sou ateia, porque tenho aberta sempre a hipótese de vir a existir algo, ou tornar-me budista ou passar a ser católica. Acho que a vida nos reserva tantas surpresas, e algumas bastante más em que precisamos de ajuda, que ninguém pode dizer ‘isto não faço de certeza'”.

Ana Bola aceitou “Rua das Flores” por várias razões

Ana Bola já tinha dito que não tencionava fazer novelas na sua carreira, mas agora aceitou integrar o elenco de “Rua das Flores”. “O que me faz aceitar um projeto é, sobretudo, a minha intuição e dois ou três amigos que me aconselham e me fazem ver os prós e contras. Sempre que eu não segui a minha intuição, não foi uma coisa feliz. Na ‘Rua das Flores’, a minha intuição disse-me que sim e sobretudo porque me explicaram muito bem o que era a novela, o horário, o target, definiram muito bem as personagens do meu núcleo. Achei muito interessante, estava há muito tempo sem trabalhar e achei que, até para parar um bocadinho com o teatro, porque estava francamente cansada, era uma oportunidade, até porque o tom era de comédia“, afirmou.

Ana Bola sente-se como peixe na água a fazer comédia e admitiu que não sabe fazer drama. “Tenho muita dificuldade em dizer se é mais difícil fazer comédia ou drama. Eu não sou capaz de fazer um drama, não sei como se faz, acho que é preciso ser-se um grande ator para se fazer um drama. Fazer comédia é muito difícil. Não estou a dizer que é mais difícil… No teatro, não sei, mas na televisão é muito fácil fazer chorar, põe-se um bocadinho mentol [nos olhos], uma música…”, disse, bem disposta.

A atriz contou também que se está a divertir muito com o trabalho que estão a desenvolver. “Acho que nós temos mesmo um bom produto. Claro que nem todas as pessoas podem gostar da novela, mas o que eu acho, e posso afirmar porque tenho experiência que chegue, é que o produto é muito giro, muito bom. O resultado final é bom, é um tipo de humor muito elegante e muito abrangente. Tem personagem muito divertidas e muito simples e tem sobretudo uma história. E uma história de mistério, que se vai desenrolar ao longo dos próximos cinco anos, segundo a Cristina”, afirmou, bem disposta, dando a sua opinião depois sobre a queda de audiências do primeiro para o segundo episódio: “Nós tivemos muitas pessoas a verem na estreia, o que é normal, porque há uma certa curiosidade e uma grande promoção feita em torno disto. Depois, descemos um bocadinho e agora vamos naturalmente estabilizando. As coisas não se conquistam de um dia para o outro, ainda por cima num horário tão clássico e que tem grande concorrência“.

Texto: Ana Lúcia Sousa; Fotos: Divulgação TVI

PUB