Teresa Paula Marques, do polémico Supernanny, avança com queixa-crime

Psicóloga tem vindo a sofrer repressões numa escola onde trabalha. Além de lhe ter sido retirado trabalho, foi colocada numa sala sem telefone e foi-lhe vedado o acesso às atas das reuniões.

22 Fev 2024 | 9:00
-A +A

Teresa Paula Marques, que saltou para a ribalta da esfera pública após ter sido protagonista do polémico programa da SIC, Supernanny, que chegou inclusive às barras dos tribunais, está agora envolvida em mais um processo judicial, mas, desta vez, na qualidade de denunciante.

A atual responsável do gabinete de psicologia, para o segmento dos cursos profissionais, do Externato João Alberto Faria, instituição de ensino localizada em Arruda dos Vinhos e na qual trabalha há 25 anos, decidiu avançar com uma queixa-crime contra o diretor e também proprietário da escola bem como contra duas colegas que lecionam no mesmo local. Em causa, está o crime de assédio no local de trabalho.

“O processo é exemplo de muitos outros, infelizmente, que proliferam neste país. É uma situação de abuso por parte de entidade patronal em relação a um trabalhador, neste caso concreto em relação à Teresa”, explica, em exclusivo à TV 7 Dias, Vítor Marques Moreira, advogado da psicóloga, que nos adianta ainda que lhe foram retiradas funções, “neste momento, não tem acesso rigorosamente a nada do que se passa no colégio, com os alunos, (…) puseram-na num gabinete sem telefone sem nada” e “as atas das reuniões, ela pede, mas não lhe dão acesso às atas das reuniões”.

Leia a história completa na edição da TV 7 Dias que chega agora às bancas.

 

TV 7 DIAS

Textos: Carla Ventura (carla.ventura@impala.pt)
Fotos: Arquivo Impala
PUB