Toda a verdade: Bruno Savate e Joana estão “psicologicamente muito debilitados”

Cláudio Coelho, expulso do “Big Brother” este domingo, diz que Bruno Savate e Joana Albuquerque se encontram “psicologicamente muito debilitados”. O ex-concorrente fala ainda da zanga com o colega.

15 Fev 2021 | 17:35
-A +A

Cláudio Coelho foi expulso, este domingo, do “Big Brother – Duplo Impacto”. Em declarações aos jornalistas, o ex-concorrente admite que não estava à espera de sair do reality show TVI, garante que ainda tinha muito para dar ao jogo, explica a zanga com Bruno Savate e afirma estar inocente do processo Jogo Duplo, apesar de ter sido condenado.

“Não estava à espera de sair, estava muito positivo para estas votações. O facto de ter entrado no programa com o jogo a decorrer há um mês… Já estavam criadas algumas raízes e amizades lá dentro… Foi um pouco prejudicial. Acho que ainda podia ter acrescentado mais ao jogo, mas não foi possível”, afirma.

Cláudio Coelho assume que entrou com um problema mal resolvido com Bruno Savate e que, por isso mesmo, ia jogar com esse trunfo. “Sabia que o meu maior adversário ali dentro iria ser o Bruno. Tentei logo lançar algumas bombas. Não tenho dúvidas de que, comigo e com o Bruno, ainda havia muita matéria-prima. Numa fase inicial, tentei confrontá-lo, mas depois parei. Esta semana, não estávamos ambos nomeados, só estava eu. Por isso, deixei essa matéria e quis ganhar força e energia. Acho que, se ficasse esta semana, algumas rotinas iriam mudar e ele iria ficar mais frágil com a minha permanência no programa”, acredita, elogiando o adversário: “É um ótimo concorrente, apesar de ser insensível em alguns pontos e eu não compactuar com algumas coisas que ele faz.”

 

Cláudio Coelho relata a verdade por detrás da zanga com Bruno Savate

 

Apesar das desavenças, Cláudio Coelho admite uma amizade com Bruno Savate quando ele sair do “Big Brother”. “Cá fora, acredito que, tendo uma conversa, conseguimos chegar a um consenso e construir uma amizade. Da minha parte, estou aberto a isso. Eu nunca estive dentro de um reality show com o Bruno como concorrente. Quando tive um pequeno atrito com o Bruno, eu não era concorrente, ele é que era”, começa por explicar o ex-concorrente, referindo-se à zanga entre os dois, na altura em que o colega concorreu ao reality show “Love One Top”.

Cláudio Coelho explica que entrou no “Love On Top 5” para ajudar alguns concorrentes que o tinham ajudado a vencer a anterior edição do mesmo programa. “Fui dar apoio à Kika, à Andreia e ao Paulo porque eles fizeram muito para que eu ganhasse a minha edição. Quando me ajudam, eu gosto de ajudar. O que aconteceu é que, por uma conversa paralela, o Bruno, por impulso, respondeu atirando-me um cinzeiro”, conta, para depois afirmar: “Depois, tive a oportunidade de ir à gala, mas como o Bruno era concorrente e eu convidado, se eu ali metesse os pontos nos ‘is’ se calhar a atitude do Bruno era desistir do programa por amor, como depois fez dias a seguir. E a produção não queria isso, não queria que eu metesse os pontos nos ‘is’ de uma forma exata para o Bruno não desistir do programa.”

Quando confrontado sobre se houve um pedido da produção para que a zanga não fosse resolvida, Cláudio Coelho explica tudo. “A produção não pediu nada. Quando eu fui à gala, se eu tocasse em alguns pontos relativamente à Jéssica (de quem Savate estava próximo), se calhar, ele ia ficar frágil e a produção não queria que ele ficasse frágil. O que me disseram foi para tentar equilibrar as coisas, mas sem atacar, nem para fazer jogos psicológicos porque não era isso que a produção queria“, assume.

O ex-jogador do “Big Brother” conta que, depois desta zanga, se cruzou com Bruno Savate uma única vez cá fora e que não esclareceram o que se passou, apesar de aparentemente ter ficado tudo bem. “Ele teve a hombridade de vir falar comigo e disse que lá dentro era jogo mas que cá fora era diferente e que estava tudo bem. Foi algo muito fugaz. Não houve oportunidade para tocar nos pontos que em que devíamos tocar porque ambos estávamos com pessoas ao lado”, justifica.

 

Bruno Savate e Joana “psicologicamente muito debilitados”

 

Cláudio Coelho não acredita que o amor entre Joana Albuquerque e Bruno Savate vingue quando ambos saírem do jogo. “Os dois são muito perspicazes. Acredito que o Bruno e a Joana saibam que são mais fortes juntos. Eu assisti a uma Joana muito debilitada psicologicamente, assisti a uma Joana, dia sim, dia não, em que entrava de uma forma no confessionário e saía de outra. Acredito que cá fora, será muito complicado e muito difícil continuarem juntos, mas podem surpreender-me e namorar”, defende.

O jogador assume que tanto Bruno como Joana estão muito debilitados. “Acho que eles estão a ficar psicologicamente muito debilitados e às vezes precisam de sair daquela bolha e isolarem-se mesmo um do outro e falar com o ‘Big Brother’. A Joana é muito madura e inteligente, mas não deixa de ter 21 anos, é uma menina. Ela esteve muito pouco tempo cá fora entre o ‘Big Brother – A Revolução’ e este. Ela está mais afetada psicologicamente e sente a falta dos seus, da sua mãe, da família… É muita pressão.”

 

Cláudio Coelho recorda processo Jogo Duplo: “Fui acusado injustamente”

 

O antigo-concorrente da “Casa dos Segredos 6”, também da TVI, foi condenado em pena suspensa, juntamente com outros 21 arguidos, pelo Tribunal Central Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça, a 28 de fevereiro de 2020. Cláudio Coelho estava acusado de um crime de corrupção ativa em competição desportiva, em coautoria material e de forma consumada.

O jogador acredita que tal processo não tenha tido influência na decisão de ter sido expulso pelo público do “Big Brother”. “Acho que não está ligado. Acho que, para o telespectador comum, ainda está muito na mente o Cláudio da ‘Casa dos Segredos 6’ e não do ‘Love On Top’. Penso que não tem nada que ver com essa condenação. Esse é um problema na justiça que não vou estar aqui a falar. Fui acusado injustamente. É uma situação que não tenho qualquer problema em falar nisso. O juiz assim determinou e eu tenho de respeitar isso. Recorri da sentença ao Tribunal da Relação e estou à espera“, conta, explicando que nunca sofreu na pele por ter o seu cadastro manchado. “Não sofri nada na pele. Estou muito tranquilo e consciente. Psicologicamente, nada me afetou.”

 

Texto: Ana Lúcia Sousa; Fotos: Divulgação TVI e reprodução redes sociais

PUB
Top