Todos os detalhes do ÚLTIMO ADEUS a Jô Caneças!

Jô Caneças perdeu a luta contra o cancro esta segunda-feira, dia 4 de março. O último adeus à socialite acontece já esta noite, na Basílica da Estrela.

04 Mar 2019 | 16:00
-A +A

Jô Caneças, que lutava contra um cancro há três anos, morreu esta segunda-feira, dia 4 de março, aos 66 anos. O último adeus à mulher de Álvaro Caneças acontece já esta noite. O velório está marcado para a Basílica da Estrela, em Lisboa, a partir das 18h00. Já o funeral realiza-se amanhã, dia 5 de março, pelas 15h00. Uma hora antes acontece a missa de corpo presente, na Basílica da Estrela. Jô Caneças será sepultada em Benfica.

A socialite estava internada na Fundação Champalimaud. Ainda pensou viajar para procurar tratamentos médicos em Andorra, tal como tinha referido Cláudio Ramos, mas o estado de saúde agravou-se e mão permitiu a viagem.

Em declarações ao site da VIP, Teresa Pinto Coelho, grande amiga de Jô Caneças, lamenta a partida de «uma grande mulher». «Foi uma lutadora, mesmo doente continuava sempre agradável. É uma amiga que se vai. Era uma grande senhora, que tratava muito bem os amigos», declara, abalada.

Leia ainda: Morreu a socialite Jô Caneças

 

Maria José Galvão de Sousa também acompanhou a amiga Jô Caneças nesta luta e recorda o sorriso genuíno da mulher do empresário. «Era uma grande amiga, com uma personalidade muito forte, sabia bem o que queria e o que não queria. Era única. Nunca perdeu a alegria, mesmo nesta última fase. Pensou sempre que houvesse uma cura para a doença. Estive com ela recentemente e ela falava que queria ir para Espanha para fazer outro tipo de tratamentos porque sentia que já não estavam a funcionar», recorda, emocionada.

«Nos últimos dias estava febril durante noite e por isso não conseguiu viajar. Contudo, eu ia lá durante o dia e ela apresentava a mesma cara, o mesmo brilho nos olhos… nunca teve a imagem de uma pessoa que tinha o problema que teve. Nunca lhe ouvi um ‘ai’. Atualmente, estava a medicação para conseguir suportar as dores», conta.

 

«O Álvaro é a minha família, o meu pilar, a minha vida»

Jô Caneças nasceu na Régua numa família de classe média. Com o nome Maria Goreti Guedes, cedo começou a ser apelidada carinhosamente por Jô. A infância foi marcada pela morte da mãe. «Fiquei sem mãe muito cedo. Ela tinha 42 anos e eu ainda não tinha 14. Acarinhava-me muito. Sofri muito. Ninguém imagina… Senti-me sem chão, sem nada», contou, numa entrevista de vida que deu à revista VIP.

Depois da morte da progenitora, com um cancro no pâncreas, Jô deixou a terra natal e veio para Lisboa viver em casa de um familiar. Habituada a trabalhar na terra, arranjou o primeiro emprego. Os estudos foram feitos à noite, numa escola da Amadora. Tirou o curso de bordadeira e trabalhou na fábrica de malas de senhora Peixoto Soares. Viveu tempos difíceis.

«Costumo dizer que hoje meto as mãos nos bolso e toda a minha roupa tem moedas, mas nessa altura não. Lembro-me de passar numa pastelaria muito boa da Amadora e apetecer-me um café e um bolinho e ficar ‘com água na boca’ porque não tinha dinheiro. Para juntar algum dinheiro, abri a minha primeira conta com 50 escudos.», contou, em entrevista à mesma publicação.

Espreite também: Morreu o ator brasileiro Caio Junqueira!

 

Tinha 31 anos quando se apaixonou por Álvaro Caneças, ex-marido de Lili Caneças. Foi o empresário [na altura já divorciado] que deu o primeiro passo na relação. Casaram-se pouco tempo depois. «Eu tinha 31 anos, a minha vida organizadinha, mas tanto insistiu, que aceitei. No dia 1 de Dezembro de 1984 fomos jantar… ele chegava sempre a horas, abria-me a porta… arranjava sempre forma de me impressionar».

Construíram uma relação sólida desde esse dia. «Sempre tive tendência para homens mais velhos. Sempre pensei que um dia, se vivesse com alguém, tinha de ser com uma pessoa mais madura que eu. Achava que as pessoas mais velhas me davam respeito, personalidade e eu não via isso na juventude da minha idade», declarou. «O Álvaro é a minha família, o meu pilar, a minha vida», acrescentou.

Quando Álvaro adoeceu, Jô Caneças esteve sempre ao seu lado. Anos depois, foi Álvaro o maior apoio da mulher, quando o cancro chegou…

Desde o primeiro dia que a doença, um cancro no pâncreas, não deu tréguas a Jô Caneças. Habituada a uma vida difícil, usou a coragem para enfrentar os momentos mais duros. «Enquanto tiver força vou continuar a lutar.»

Texto: Ricardina Batista; Fotos: Impala 

 

 

 

PUB
Top