Tony Carreira revoltado com atraso na investigação do acidente da filha: “Não há justiça”

Tony Carreira tem sido contactado por vários pais na mesma situação, que lhe pedem que seja uma voz ativa perante os tribunais: “Qualquer pai tem o direito de saber em tempo razoável o que aconteceu”

01 Dez 2021 | 13:10
-A +A

Tony Carreira voltou a mostrar toda a sua revolta em relação ao atraso da Justiça na investigação do acidente que vitimou a filha mais nova, Sara Carreira. No próximo domingo, 5 de dezembro, assinala-se um ano sobre a morte da jovem cantora, de 21 anos, num trágico acidente de automóvel.

Em declarações a um jornal diário, Tony Carreira disse que tem sido contactado por alguns pais na mesma situação, que lhe pedem que seja a voz de todos eles. “Isto não é justiça alguma. O luto tem várias etapas e qualquer pai com uma perda irreparável como esta tem o direito de saber em tempo razoável o que aconteceu”, começou por dizer.

“Muitos pais que hoje me contactam, fruto da minha visibilidade, contactam-me, pedindo-me quase que, por eles, eu seja uma voz. Dão-me conta da triste conclusão a que eu próprio já tinha chegado sobre o tempo que estes processos demoram: quatro, cinco anos ou mais. Tão simplesmente saber o que aconteceu”, disse Tony Carreira ao Correio da Manhã, acrescentando ainda: “Esse direito com a justiça a funcionar nestes termos não é dado aos pais que passam por uma situação como esta. A triste conclusão a que se chega é que, se a justiça neste tipo de casos é isto, não há aqui justiça alguma. Porque se a resposta que se dá aos pais é que só passados muitos anos eles poderão saber o que aconteceu, então não há justiça.”

Três responsáveis no acidente que vitimou filha de Tony Carreira

A investigação das autoridades concluiu que Ivo Lucas é um dos responsáveis pelo acidente que tirou a vida à filha mais nova de Tony Carreira, por conduzir em velocidade excessiva face às condições de visibilidade naquele troço da via e do piso, que estava escorregadio pela chuva intensa que caiu minutos antes do acidente.

A fadista Cristina Branco, que seguia com a filha num outro automóvel, e o condutor de um terceiro veiculo foram indicados também, segundo o mesmo relatório, por terem tido uma “conduta negligente por terem abandonado os veiculos na estrada sem sinalizar devidamente o acidente”.

Agora, o Ministério Público de Santarém, que já tem este relatório há cerca de um mês, irá decidir se deduz ou não acusação sobre estes três indivíduos.

Texto: Patrícia Correia Branco; Fotos: Impala

 

PUB