“Tristes e revoltados”: Isabela Cardinali e Pedro Moreira adiam casamento com preocupação

A revolta por não se casarem, o medo que têm de a avó dele não “chegar” até ao grande dia e ainda a falta de apoios do Estado para o circo. Isabela Cardinali e Pedro Moreira contam tudo à TV 7 Dias.

25 Mai 2021 | 18:00
-A +A

Isabela Cardinali cresceu no circo, com uma vida agitada e a casa às costas. Pedro Moreira seguiu-lhe os passos quando saíram da “Casa dos Segredos” e começaram uma vida a dois. A pandemia fechou os circos e o casal foi obrigado a parar e a reinventar-se.

Os ex-concorrentes do reality show da TVI não escondem que foi difícil esta mudança drástica na rotina. “Trabalhar e viver juntos não é um problema para nós, nunca foi. Mas não vamos mentir, a dada altura, apetece sair, ir comer a qualquer lado, fazer qualquer coisa diferente, e chegou a uma altura que eu queria matar-me porque já estava farta de estar em casa. Sentia que não estava a viver! Eu tenho 22 anos e sentia a vida a passar”, explica Isabela Cardinali. “Estou habituada a fazer tantas terras por ano e, de repente, a única coisa que vi foi a padaria no cimo da minha rua e o talho. É horrível, estou farta”, acrescenta, no tom divertido que lhe é característico.

 

Pedro Moreira: “Estamos tristes e revoltados com tudo isto”

 

O casamento era o próximo passo a dar, no entanto, a pandemia veio estragar os planos. O nortenho não esconde a revolta que sente, mas garante que “não faz sentido” casar-se nesta altura. “Eu tenho adiado comunicar às pessoas que não vai acontecer, porque estamos tristes e revoltados com tudo isto, e chateia-me termos de estar condicionados e a alterar planos por causa disto”, afiança Pedro Moreira.

“O casamento vai ser uma festa, uma celebração, um dia que nós queremos que seja completamente diferente, e não queremos casar assim. Já estamos juntos, temos a vida construída e não precisamos de casar para mudar a nossa vida. E não faz sentido nenhum ter pessoas com medo. Só o facto de casar e ter as pessoas de máscara, para nós, não tem cabimento. Queremos uma imagem para eternizar e queremos que essa seja uma imagem boa e não que nos remeta para esta época”, explica.

 

Isabela Cardinali: “Vou ficar de rastos se a avó do Pedro não conseguir chegar lá”

 

O adiamento do casamento traz também algumas preocupações e receios. “Por outro lado, deixa-me muito triste, porque já era para ter sido o ano passado e, nessa altura, a minha avó estava ótima, muito bem fisicamente, e agora já não está… Mas também não ia estar confortável de a ver de máscara no meu casamento, ia ficar preocupado porque, quer queiramos quer não, o casamento é uma festa de contacto e nós não queremos ter essa preocupação”, lamenta o personal trainer.

“Se não dá agora, vai ser depois. E só esperamos mesmo que todos estejam bem quando casarmos. Vou ficar de rastos se a avó do Pedro, que está agora muito debilitada, não conseguir chegar lá. Foi uma pessoa que ficou muito feliz por o Pedro me ter pedido em casamento, e nós achamos que ela está aguentar-se até ao dia para nos conseguir ver a casar. Mas é pensar positivo!”, sublinha Isabela Cardinali, emocionada.

 

Circo sem apoios do Estado

 

Isabela Cardinali e Pedro Moreira criaram o seu próprio espetáculo de circo, Circus of Horror, antes da pandemia e não veem a hora de poder voltar à estrada. “Tínhamos um espetáculo trazido do estrangeiro, mas era inédito aqui em Portugal. Fizemos 11 espetáculos com esse circo e era suposto continuarmos. Agora, estamos à espera de luz verde. É algo que nos diz muito, foi pensado por nós e é chato termos ali o nosso trabalho empatado”, desabafa o nortenho.

Frustrada, a artista circense não entende porque é que o circo é tratado de forma diferente. “Todos os espetáculos culturais tiveram oportunidade de reabrir menos o circo. Não percebemos porquê. É frustrante, até porque a associação vai às reuniões no Parlamento, é convidada e dizem mil e uma coisas, mas depois nada é certo, nada é o que nos prometem. Já passou um ano e pouco e nós não vimos nada. Eu recebi por ter empresa aberta em nome individual, mas nada tem que ver com o circo! As pessoas que trabalham e vivem só do circo não viram nada. Da cultura, ninguém recebeu rigorosamente nada!”, assegura Isabela Cardinali.

O desconfinamento trouxe a esperança de voltar a trabalhar no circo, porém o casal está ciente das dificuldades que terá de enfrentar nesta altura. “Quase todos os artistas arranjaram outro trabalho, e agora estão naquela situação em que não sabem se se podem despedir do trabalho onde estão, porque é seguro, ou se recomeçam no circo. O pior está para vir e vai ser o recomeço! Temos de ter dinheiro para conseguir abrir um espetáculo que esteve parado mais de um ano, e recebemos bola por ele”, admite a ex-concorrente da “Casa dos Segredos 7”. “Mesmo assim, tenho-me sentindo esperançosa e muito entusiasmada com a ideia de poder voltar”, remata.

 

Texto: Maria Inês Gomes (ines.gomes@impala.pt); Fotos: Arquivo Impala e reprodução redes sociais

 

(artigo originalmente publicado na edição nº 1783 da TV 7 Dias)

PUB
Top