Um país de luto: Famosos fazem vénia a António Cordeiro após quatro anos de luta inglória

António Cordeiro perdeu, ao fim de quatro anos, uma longa e intensa batalha contra uma doença rara e degenerativa. Nas últimas horas, multiplicam-se as reações de famosos a lamentar a morte do ator.

31 Jan 2021 | 12:03
-A +A

António Cordeiro morreu, este sábado, após quatro anos de luta contra a Paralisia Supranuclear Progressiva, uma doença rara, degenerativa e incurável, muitas vezes confundida com o Parkinson. Internado desde sexta-feira, o ator não resistiu e perdeu a vida no Hospital de Santa Maria, em Lisboa. Tinha 61 anos.

Na Internet, multiplicam-se as reações de pesar à morte de António Cordeiro, com um manto preto a cobrir as redes sociais. A atriz Isabel Medina foi das primeiras a falar publicamente sobre o desaparecimento do colega. “Querido António Cordeiro. Descansa na luz e em paz. Obrigada por teres cruzado o meu caminho e até sempre. Querida, maravilhosa Lena, abençoada sejas, pelo teu amor e dedicação, sempre de sorriso pronto. O António teve uma grande companheira!”, escreveu, nas redes sociais.

Alexandra Lencastre partilhou as palavras da colega de profissão para assinalar a morte de António Cordeiro. “Querida Isabel… Escreves o que sinto”, pode ler-se.

 

“Foi um amigo tão importante. Tenho medo de ele não ter sabido o quanto”

 

Noémia Costa, que perdeu no mesmo dia o ex-marido, o ator Licínio França, partilhou uma imagem de António Cordeiro para o homenagear. “Vai em paz, meu querido António”, escreveu. Já Diogo Infante despediu-se com um “até sempre, António”.

“O António foi um grande amigo. Foi muito importante para mim. Aprendi muito sobre a profissão e, mais importante do que isso, sobre a vida. Tive a minha estreia em teatro com ele, ajudou-me, segurou-me, divertiu-me, ensinou-me a relativizar, jantámos, bebemos cervejas, chorámos, rimos muito, abraçou-me tanto”, escreveu, por sua vez, o ator Afonso Pimentel.

“Ensinou-me de música e arrancou-me de casa com a sua guerreira Lena e obrigou-me a aprender a gostar de sushi. Sempre a fazer-me sentir mais e melhor. Era um puto preso num corpo de Homem. Um corpo que o traiu e o foi limitando”, acrescentou.

Desolado, Afonso Pimentel rematou: “O meu Cordeiro partiu hoje. Escrevo na esperança de aliviar o nó que tenho. O António foi um amigo tão importante. Tenho medo de ele não ter sabido o quanto. Eu gostava de ter sido mais.”

 

José Condessa para António Cordeiro: “Ter-te como pai foi um privilégio”

 

Bárbara Norton de Matos lembrou o tempo em que gravou a novela “Mar Salgado”, da SIC, de cujo elenco ela e António Cordeiro faziam parte. “Esta fotografia foi na apresentação da novela ‘Mar Salgado’. Éramos sogro e nora! Rimos tanto neste dia e vou lembrar-me de ti assim… Meu querido António Cordeiro”, lê-se.

José Condessa, que com ele gravou a novela “Espelho d’Água”, da SIC, também partilhou um sentido texto de homenagem. “Tínhamos acabado de chegar a Ílhavo para começarmos a dar vida a este pai e filho quando me perguntaste se gostava caldeirada de enguia. Percebi que nos íamos dar bem. Não sabia é que me irias marcar de uma forma que não sei explicar bem como. Entre a caldeirada e os camarões de espinho que garantiste serem ‘os mais saborosos’, começámos a falar de todas as tuas aventuras e chegámos ao Claxon”, escreveu.

E acrescentou: “‘Confesso que não conheço’. Tu riste-te e disseste: ‘Ainda não eras nascido, procura aí’. Vimos o vídeo da abertura e disse-lhe que não sabia que tínhamos um 007 português e rimo-nos. A novela foi-me dando a conhecer um herói ainda maior do que o Claxon, com uma garra de ator antigo e um brio excepcional. As palavras bem dirigidas (não fosses tu um ótimo diretor de atores) eram deliciosas de saborear, e que certeiras eram António. Ter-te como pai foi um privilégio e acredito que aumentou ainda mais o nosso amor. O herói que és também gosta de abraçar e com o tempo nosso abraço era acompanhado de um beijinho. Belas conversas e almoços, tantas cenas a teu lado que me marcaram sem teres bem noção disso. Eu e o Diogo Martins falamos muito de ti, sabias? E, ao ver o nosso abraço, ainda sinto o teu cheiro. Afinal de conta, os heróis são eternos e tu foste um dos verdadeiros. Beijos.”

“Querido António. Obrigado por tudo, pela amizade, pelos sábios conselhos, por acreditares em mim, pelo sentido de humor, pelo teu talento e trabalho”, agradeceu o ator Miguel Costa, concluindo: “Descansa em paz.”

“É sempre assim que me vou lembrar de ti: bem-disposto, malandro, divertido, sempre com uma história para contar. Mas amigo, protetor, preocupado, companheiro. Obrigada por teres estado comigo no Palco e na Vida. Beijinho, António Cordeiro”, despediu-se a atriz Maria Henrique.

 

António Cordeiro vivia na Casa do Artista há quase um ano

 

Casado com Helena Almeida, António Cordeiro não deixa filhos. Estava afastado da representação desde há três anos, altura em que integrou o elenco da novela “Espelho d’Água”, da SIC. Pelo avançado estado da doença, foi viver para a Casa do Artista em março do ano passado.

A TV 7 Dias acompanhou de perto a evolução da doença degenerativa que atingiu o ator. Recorde as nossas reportagens ao longo do último ano e meio:

 

De capacete em casa. Doença rara de António Cordeiro deixa mulher perto de esgotamento (publicada originalmente em setembro de 2019)
Entrevista ao médico de António Cordeiro: “A esperança média de vida anda na casa dos nove anos” (publicada originalmente em setembro de 2019)
Mulher de António Cordeiro: “Não sei até quando consigo aguentar isto” (publicada originalmente em setembro de 2019)

 

Texto: Ana Lúcia Sousa e Dúlio Silva; Fotos: Arquivo Impala

PUB
Top