Vício de Diogo Amaral ditou separação de Jessica Athayde: “Foi a decisão mais dura”

Jessica Athayde assumiu que a adição de Diogo Amaral levou ao fim da relação e que tentou de tudo para salvar o namoro. Até a reuniões foi.

17 Abr 2021 | 9:40
-A +A

Jessica Athayde falou finalmente sobre os motivos que levaram ao fim da relação com Diogo Amaral, três meses depois do nascimento de Oliver, em setembro de 2019. A atriz esteve à conversa com Daniel Oliveira, no Alta Definição, este sábado (10) e abriu o coração. A atriz falou da separação dos pais, de crescer sem conhecer a casa do pai por ser filha de uma relação extra conjugal, dos traumas e frustrações que tal lhe causaram, da separação de Diogo Amaral com quem namorou cerca de dois anos, da depressão pré parto e de como conseguiu ficar em paz depois do filho Oliver nascer.

“O Oliver foi um bebé planeado. Decidimos começar a tentar sempre a achar que ia demorar imenso tempo e foi na primeira tentativa. Queria muito ser mãe e ter um filho com o Diogo. Nunca tive intenções de fazer isto sozinha, mas nós não controlamos nada. Mas desde que uma criança não seja prejudicada, está tudo bem. Além de me sentir muito melhor pessoa depois de ter sido mãe e mais calma a importância que dou às coisas mudou muito. As minhas prioridades mudaram, mas o Oli foi um ensinamento, passei a saber o que é família e amor”, assume. A pimeira vez que Jessica Athayde viu os pais juntos foi aos 33 anos quando estava na maternidade.

“A atriz assume que a gravidez foi muito difícil e que sofreu de depressão pré parto.  A depressão pré parto é enorme e eu nem sabia que existia. Eu enjoava e vomitava o dia todo. Eu vivia em stress e frustrada com isso. Eu estava em terapia, estava em tristeza, deixei de me sentir eu, completamente. Não estava a conseguir gerir a minha relação, também tinha as expectativas de que iria ter uma família e percebi que as coisas não eram bem assim e que aquilo que tinha idealizado não ia acontecer”, assume para dizer que demorou muito tempo para fazer as pazes com a forma como teve o parto.

“Eu só queria ultrapassar a gravidez e demorei um ano a fazer as pazes por não ter tido um parto que desejava. Não queria ter tido um parto amarrada como Cristo porque fiz uma cesariana. Quando ele nasceu, bateu um amor oncondicional, naquele segundo tudo mudou. Eu adoro ser mãe. É a melhor experiência que já tive. Adoro passar tempo com ele, adoro ensinar…”, explica.

Fim de relação de Jessica Athayde e Diogo Amaral

A relação de Jessica e Diogo terminou três meses depois de Oliver nascer. A atriz assume agora que não foi uma decisão fácil, mas que teve de a tomar. Jessica assume pela primeira vez que a adição do ator levou à rutura da relação. Recorde-se que Diogo Amaral assumiu dependência de drogas durante uma entrevista a Cristina Ferreira, no ainda Programa de Cristina.

“Estou bastante contente da dinâmica familiar que se está a construir. A minha separação foi uma separação triste. Não era por falta de amor, era porque eu comecei a perceber e a compreender devagarinho que a adição é uma doença para a vida e que não é só uma fase e nem deve ser tratada como tal. Ele estava a fazer o caminho dele e esse caminho não estava a ser compatível com o facto de eu estar com um bebé tão pequeno”, explica a atriz para depois acrescentar:

“Tive de tomar uma decisão dura e foi a mais dura que já tomei. O mais  importante é que o meu filho viva num ambiente bom e não queria que ele crescesse com um mau estar entre mim e o pai, que a certa altura existiu. Senti que não era justo. Eu queria tanto o meu filho, amava tanto o pai do meu filho e queria tanto que ele crescesse com os pais juntos e isso não acontecer para mim foi…”

Jessica explica que tem muito orgulho em Diogo Amaral e que hoje em dia são muito amigos. “O caminho de recuperação é enorme e eu tenho imenso orgulho nele. Mas eu tive de me afastar. Eu encontrei o meu caminho e ele o dele e acho que é por causa disso que conseguimos ser tão amigos. Eu tive de fazer o meu trabalho para perceber o que o Diogo tinha. Eu fui fazer reuniões, tive que compreender o que se estava a passar e tudo o que vinha. Fez-se aqui um caminho”, assegura, afirmando que Diogo Amaral encontrou o equilibrio.

“O Diogo teve de se ausentar porque ele tem de se manter na linha certa… E ele agora faz esse caminho bem. Mas eu fiquei sozinha com um bebé. Mas ainda bem que fiquei, porque é importante para o meu filho ter um pai presente. A separação foi um ato de amor. Hoje em dia temos uma relação porreirissima, não existe a semana sim e a semana não, estamos juntos para o nosso filho”

Fora da representação há quatro anos

Jessica Athayde está fora da representação há quatro anos. O último trabalho que fez foi em 2017, na novela Herdeira, como Alexa, apesar de ter entrado em Dança Com As Estrelas, primeiro como concorrente e depois como jurada. “Esta paragem de quatro anos, a contar com o ano da gravidez e com o nascimento do bebé não foi porque eu quis. Eu não rejeitei nada, eu rejeitei uma personagem, mas não o projeto, a escolha de não estar a trabalhar este tempo todo não foi minha, mas ainda bem que assim foi. Deu-me a oportunidade de namorar o meu filho. Deu-me este processo de cura e tranquilidade que não tinha há muito tempo”, afirma a atruz recordando que trabalha ininterruptamente desde que entrou em Morangos Com Açúcar, em 2005.

A atriz está a agora na SIC com o projeto Princípio Meio e Fim de Bruno Nogueira, depois de perder o contrato de exclusividade com a TVI, em novembro de 2011. O formato estreia este domingo (11) e, garante Jessica, foi o trabalho certo para voltar ao ativo. “Eu sempre trabalhei com contratos, e pela primeira vez fui freelancer. Sentir que alguém quer trabalhar contigo é muito bom. É porreiro seres valorizada”, diz.

 

Texto: Ana Lúcia Sousa: Fotos: Divulgação SIC
Veja também:
“Tem uma mulher que não me quer conhecer”: Jessica Athayde não sabe onde o pai mora
“A masturbação faz parte da vida”: Jessica Athayde fala de sexualidade sem tabus

PUB